Artigos . A natureza versus a criação

04/11/2013

Tenho em casa um pré-adolescente e como muitos pais a preocupação vem junto com tal fase da vida. Buscando entender como melhor conduzir este momento que é de enorme transição para eles que não são nem adultos nem crianças que busquei informações. E as divido com vocês. Segundo o filósofo John Locke: Os indivíduos são como “tábuas rasas“, prontas para serem moldadas de qualquer forma. Mostrando assim que a influência do meio é que faz a personalidade ser formada. Mas com a chegada do Darwinismo, outra perspectiva sobre a personalidade foi apresentada e o mundo passou a acreditar que algumas pessoas já nasceriam com pré-disposição e características previamente formadas. Mas hoje os estudos mostram que há uma mistura de vários fatores, pois carregamos tendências inatas que podem ser desenvolvidas conforme as experiências que temos ao longo da vida. Para a psicóloga americana Judith Harris, o que mais pesa depois da genética é a influência dos amigos e não dos pais. Um dos exemplos usado por Harris é o dos imigrantes Russos, que mesmo falando diariamente a língua materna as crianças vão falar melhor o inglês e serão tão locais quantos seus amigos. Seus genes predispõem a desenvolver certa personalidade, mas o meio poderá mudá-lo, aquele em que convive com seus amigos. Muitas pesquisas mostram que pais de adolescentes sabem muito bem que as crianças desde pequenas preferem copiar o que os amiguinhos da mesma idade fazem do que os pais ensinam. Anna Freud (filha de Sigmund) já demonstrara em uma pesquisa realizada nos campos de concentração com crianças de até 4 anos, que sem a presença constante de adultos, que apesar de não conseguirem seguir regras, elas tinham um forte espírito de equipe, não competiam entre si e cuidavam uma das outras se preocupando até em dividir a comida. Tudo graças aos laços de amizade que os humanos estabelecem. Mas como diferenciar o que é temperamento de personalidade? O primeiro é relacionado à carga genética, já a personalidade pode ser descrita como estilo de uma pessoa, que inclui fatores biológicos e culturais. Assim o temperamento já é claro desde cedo, mas ainda não está completamente formado, e ai é que entram os pais para mostre-lhes a melhor maneira de lidar com ele, tentando ressaltar as qualidade e suprimir os traços ruins. Ou seja, ainda dá tempo de influenciar na forma como as crianças vão lidar com suas próprias características, ajudando assim a ter um bom caminho a seguir.

Artigos . Meditação no mundo corporativo

01/09/2014

Com estudos realizados desde a década de 1970, os efeitos da meditação no bem estar e na saúde parecem ter um efeito mágico. Desta época até os dias de hoje vários trabalhos revelaram que praticá-la regularmente, sem a necessidade de vinculo com qualquer religião, ajuda a aliviar o estresse e diminui a ansiedade.

Recentemente meditar virou febre no mundo corporativo graças aos benefícios comprovados na redução da tensão e também para a manutenção do foco e a regulação dos impulsos emocionais, na prática é como ter um pequeno intervalo entre a emoção e o instante da decisão, assim evitando aquela reação impulsiva. Isto acontece porque, além de relaxar, esta atividade é capaz de modificar estruturas e funções no cérebro. Segundo um estudo realizado pela Bióloga Elisa Kozasa, do instituto do Cérebro do Hospital Albert Einstein. O trabalho comparou o cérebro de pessoas que meditam regularmente (pelo menos meia hora três vezes por semana) e as que não meditam. A conclusão da pesquisadora foi que as que não praticavam a meditação precisavam ativar mais regiões do cérebro para realizar a mesma tarefa de atenção.

Esta técnica milenar chegou entre os gigantes da tecnologia e inovação. Há quem trate como a nova cafeína, pela capacidade de aumentar a atenção e manter a mente em alerta e logicamente o que isso também pode representar para a produtividade da corporação. Muitas destas mega-empresas já entraram na onda oferecendo o que chamam deMindfulness, ou seja, atenção plena, o estado da mente consciente e focado no presente, atingido com exercícios de meditação.       

Em outro estudo realizado, neurocientistas do renomado MIT Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da mais importante instituição de ensino superior do mundo; a Harvard University submeteu voluntários a um programa de oito semanas com 45 minutos de meditação por dia e revelou um aumento na capacidade de controlar um tipo especifico de onde cerebral ativada por informações que geram distração e dissipam a atenção. Ou seja, meditar devolve o foco, habilidade importantíssima, mas tão em falta em um mundo acelerado e cheio de estímulos como o que vivemos.

Artigos . Ponto final, não!

29/12/2014

Conversando com amigos e colegas de profissão, fiquei, ou melhor, ficamos impressionados com algumas constatações na qual todos convergiam para as mesmas conclusões. O final de ano nos pareceu na verdade aos olhos dos outros o final de tudo. Pessoas correndo como se não houvesse amanha e principalmente como se não houvesse continuidade da vida.

Vejo que todos estão preocupados com o momento de finalizar algo, de encerrar, de colocar fim a alguma coisa que não esta certa. Mas por que não ser este momento o grande momento da transformação! O começo de tudo. Todos os anos no meu trabalho realizamos uma festa de encerramento, este ano será diferente. Faremos sim uma festa em 2015 como nossos vizinhos Argentinos dizem de “apertura”. Onde sim celebramos o começo e não o fim. E é justamente isto que devemos colocar para nós neste apagar das luzes de 2014. O inicio.

Será o inicio para quem deseja correr de automóvel, de correr na rua, de escalar uma montanha, de aprender a surfar, de voltar a andar, mexer uma mão ou apenas começar a treinar em uma academia. Estes desejos são para quem os almeja muitas vezes inalcançáveis, mas são desejos. Este pode ser um pequeno passo para um homem, mas um enorme salto para quem consegue. Quero hoje com este texto alertar para que tenhamos objetivos o ano todo, não apenas quando se encerra um e começa o outro. Costumo dizer aos meus alunos que calculem quanto tempo temos pela frente para sermos felizes, por que então quer emagrecer em dias e voltar a viver o resto da vida obeso. Usar sustâncias danosas ao nosso organismo para ficar forte e em meses e desenvolver um câncer maligno que nos tire a vida ou parte dela. O que devemos sim! E falo diariamente a quem posso, é viver plenamente nossos objetivos diários, semanais e assim por diante.

A continuidade de tudo que queremos está na perspectiva de novos objetivos, de novos horizontes. Cada ano novos treinamentos novos aparecem, novos atletas se consolidam como ídolos, novos recordes são batidos, isso faz uma imensa renovação, mas ao mesmo tempo a continuidade esta presente no nosso dia a dia.

 

Deixo aqui os votos de continuidade, de inovação constante e crescimento em todos os sentidos e que sejam duradouros.  

Artigos . Hora certa

23/02/2015

Para muitas pessoas acordar cedo é um martírio. Já para outras dormirem antes da meia noite é impensado, pois seu rendimento é muito maior neste horário. O que explica isto?  O ritmo circadiano que regula nosso relógio biológico é um dos fatores importantíssimos para que entendamos esta lógica.

Ritmos circadianos influenciam nossa temperatura corporal, sono e vigília, e várias mudanças hormonais também sãos comprometidas. Luz solar e outros sinais do tempo ajudam a definir nossos ciclos circadianos de modo que eles são consistentes no dia a dia. Para a maioria das pessoas, o comprimento de um ciclo completo é bem próximo a 24 horas. O cérebro controla estes ritmos através de núcleos chamados SCN. E um caminho é guiado pelos nossos olhos até o SCN, e a luz parece ter o maior papel em ajustar nossos relógios circadianos. Interessantemente, pessoas cegas geralmente apresentam problemas com ele. Outros fatores que podem afetar o SCN e o ajuste do relógio circadiano incluem exercícios, hormônios e medicações.

Alguns distúrbios neste ritmo são causados pela mudança na idade e com isso se perde a habilidade para responder aos sinais do tempo. O mais expressivo problema é o Jet lag, que ocorre durante uma viajem através de vários fusos horários. Um simples vôo dos Estados Unidos para a Europa, por exemplo, pode produzir sintomas de Jet lag que duraram às vezes por uma semana ou mais. Isso inclui insônia, irritabilidade e dificuldade de concentração. A maioria de nós já experimentou uma forma leve de Jet lag duas vezes ao ano, quando entramos e saímos do horário de verão.

 

Pequenas sugestões podem ajudar a regular os distúrbios do ritmo circadiano. Como por exemplo, em alguns casos, um anormal ciclo de sono pode ser sintoma de depressão ou maus hábitos de sono. Uma nova técnica está sendo testada que é a terapia da luz brilhante como modo de deslocar o sistema circadiano e redefinir o relógio do corpo. Uma exposição a luz brilhante devidamente programada pode ajudar a adiantar ou atrasar o ciclo do sono. E por fim algumas pesquisas têm explorado o uso de suplementação de melatonina, uma substancia natural que aumenta no sangue durante a noite. Embora essa forma de tratamento seja experimental, acredita-se que ajuda a promover o sono em algumas situações. De qualquer modo os distúrbios relacionados ao sono devem ser sempre acompanhados por profissionais.

Artigos . Saúde distorcida

24/08/2015

Uma pessoa que não consegue passar por um espelho sem se observar ou esconde-se dentro de roupas largas por vergonha do próprio corpo e até deixa de sair por achar que os olhos não têm um formato adequado. A chance de ela estar sofrendo com o transtorno dismórfico corporal é grande. O TDC é uma doença que se caracteriza por uma distorção da auto-imagem e faz com que a pessoa fique reclusa ou busque, a qualquer custo, atingir o ideal de beleza, que geralmente é impossível de se obter. Esta preocupação excessiva com aparência pode levar a transtornos psiquiátricos graves.

        As pessoas que são acometidas por este transtorno sofrem, por que evitam a exposição, ficam com vergonha de frequentar lugares públicos, de se relacionar, pois têm a impressão de que os outros vão sempre olhar para aquele “defeito” e também fazem intervenções cirúrgicas desnecessárias. Assim como a maioria das doenças psiquiátricas, há um fundo genético que é amplificado pelo ambiente em que ela vive. O padrão de beleza imposto atualmente causa problemas em quem tem esta patologia.  E esse padrão não tem a ver com a saúde física, mas com uma conotação de sucesso e poder.  Isso acaba tendo um apelo muito maior em pessoas mais jovens e mais vulneráveis.

Identificar o problema é o primeiro passo para o tratamento. No começo, quem tem TDC não tem a exata noção de que seu comportamento em relação ao corpo é exagerado. Em muitos casos é preciso começar um tratamento para se chegar ao diagnóstico. Para ser diagnosticado o TDC, a preocupação com a aparência precisa prejudicar a mecânica do dia a dia, influenciar negativamente e ter impacto na vida social ou profissional. O tratamento é feito com medicamentos e psicoterapia. Em alguns casos entra-se também com antidepressivos e também se trabalha a autoimagem. A adolescência é um momento crucial para o desenvolvimento desses transtornos. Neste momento podem surgir casos de compulsão alimentar, bulimia e anorexia. Ficar atento a alguns traços de personalidade revelam a vulnerabilidade da repulsa ao próprio corpo. Pessoas mais perfeccionistas, inseguras ou com baixa auto-estima acabam ficando mais vulneráveis.

Os objetivos de uma pessoa com transtorno dismórfico corporal geralmente são extremos, com padrões muito altos e impossíveis de serem alcançados. O tratamento pode durar de poucos meses até alguns anos, mas tem cura. 

Artigos . Saúde distorcida

24/08/2015

Uma pessoa que não consegue passar por um espelho sem se observar ou esconde-se dentro de roupas largas por vergonha do próprio corpo e até deixa de sair por achar que os olhos não têm um formato adequado. A chance de ela estar sofrendo com o transtorno dismórfico corporal é grande. O TDC é uma doença que se caracteriza por uma distorção da auto-imagem e faz com que a pessoa fique reclusa ou busque, a qualquer custo, atingir o ideal de beleza, que geralmente é impossível de se obter. Esta preocupação excessiva com aparência pode levar a transtornos psiquiátricos graves.

        As pessoas que são acometidas por este transtorno sofrem, por que evitam a exposição, ficam com vergonha de frequentar lugares públicos, de se relacionar, pois têm a impressão de que os outros vão sempre olhar para aquele “defeito” e também fazem intervenções cirúrgicas desnecessárias. Assim como a maioria das doenças psiquiátricas, há um fundo genético que é amplificado pelo ambiente em que ela vive. O padrão de beleza imposto atualmente causa problemas em quem tem esta patologia.  E esse padrão não tem a ver com a saúde física, mas com uma conotação de sucesso e poder.  Isso acaba tendo um apelo muito maior em pessoas mais jovens e mais vulneráveis.

Identificar o problema é o primeiro passo para o tratamento. No começo, quem tem TDC não tem a exata noção de que seu comportamento em relação ao corpo é exagerado. Em muitos casos é preciso começar um tratamento para se chegar ao diagnóstico. Para ser diagnosticado o TDC, a preocupação com a aparência precisa prejudicar a mecânica do dia a dia, influenciar negativamente e ter impacto na vida social ou profissional. O tratamento é feito com medicamentos e psicoterapia. Em alguns casos entra-se também com antidepressivos e também se trabalha a autoimagem. A adolescência é um momento crucial para o desenvolvimento desses transtornos. Neste momento podem surgir casos de compulsão alimentar, bulimia e anorexia. Ficar atento a alguns traços de personalidade revelam a vulnerabilidade da repulsa ao próprio corpo. Pessoas mais perfeccionistas, inseguras ou com baixa auto-estima acabam ficando mais vulneráveis.

Os objetivos de uma pessoa com transtorno dismórfico corporal geralmente são extremos, com padrões muito altos e impossíveis de serem alcançados. O tratamento pode durar de poucos meses até alguns anos, mas tem cura. 

Artigos . Alegria de viver

31/08/2015

Não existe dor, não existe perda. Existe sim uma vida à ser vivida. Existem sim pessoas a serem cumprimentadas, objetivos a serem concluídos, lugares a serem desbravados e para isto temos que constantemente buscar e manter o foco na alegria em viver.

Um estudo da Chapman University of Orange, na Califórnia, EUA, e publicado no periódico Psychological Science, mostrou que o otimismo e a satisfação com a própria existência prolongam a vida. Quem é mais insatisfeito com a vida corre de fato mais risco de morrer rápido. A satisfação maior com a própria vida, principalmente depois dos 50 anos, leva de fato a um menor risco de morte. Segundo Julia Boehm; A satisfação com a vida pode mudar os efeitos de eventos como divórcio ou desocupação. Algumas pessoas conseguem se adaptar de maneira mais rápida às novas situações porque parecem ter uma satisfação com a própria vida mais estável, enquanto outros não se adaptam assim rapidamente, que é pesquisadora da University of Orange. Ainda segundo Boehm, - Se uma pessoa enfrenta repetidamente situações estressantes, que diminuem seu contentamento com a vida, “estas flutuações para baixo parecem ser particularmente danosas para a longevidade”.

  A pesquisa conduzida por Boehm mostrou que em cada um dos nove anos do estudo, foi pedido para um grupo de 4.500 mulheres e homens responderem a uma pergunta quando estivessem felizes com a própria existência, dando uma nota variando de 1 a 10. Os pesquisadores avaliaram a satisfação média ao longo da vida e a variabilidade no tempo, além da idade, sexo, instrução, saúde, atividade física, tagabismo e sintomas depressivos. Quando a satisfação aumentava, o risco de mortalidade se reduzia em 18%. Quando acontecia o contrário, com uma maior variabilidade, o aumento do risco de morte era de 20%. As pessoas com alto nível de contentamento com a vida tendem a ter um menor risco de mortalidade, independentemente das variações do tempo. Segundo os pesquisadores, os resultados indicam que a variabilidade no nível de satisfação influencia no risco de mortalidade somente quando se é pouco contente.

 

Então, buscar a alegria no convívio das atividades sociais, físicas e intelectuais que mais geram prazer. Também vão gerar energia que realimentam o otimismo e a satisfação da alegria de viver. 

© FITNESS CLUB
Login
Horário de Atendimento Segunda à Quinta Das 7hs às 21:30hs Sexta Das 7hs às 21:00hs Sabado Das 9hs às 12:00hs
Onde estamos
Av. Independência, 700 sala 108, Campo Bom/RS

(51) 3597-4510