Artigos . Distrofias musculares

05/08/2013

Com o primeiro registro desta doença feito no século XVIII por um neurologista francês chamado Guillaume Duchenne, na qual ele descreve o caso de um menino de 9 anos que perdeu a capacidade de andar devido a uma doença muscular. Mais tarde ele relaciona tal situação a uma particular doença neuromuscular progressiva destrutiva afetando principalmente crianças do sexo masculino.

                Tais patologias formam um grupo de mais de 30 doenças genéticas. Manifestando-se na maioria das vezes em homens, embora a mulher possa ser portadora do gene defeituoso e transmiti-lo para seus descendentes. Cerca de 1 em cada 3.000 meninos nasce com o distúrbio. Quando há homens com a doença na família, o risco de surgirem mais casos é muito grande, e é importantíssimo procurar um aconselhamento genético antes de tentar uma gravidez. Mas, cerca de um terço dos casos de distrofia muscular de Duchenne são oriundos de mutações novas, isto é, não são herdados.

                Distrofia muscular de Duchenne e distrofia muscular de Becker são os tipos mais conhecidos e frequentes das distrofias musculares, mas existem outros classificados de acordo com a produção anormal de determinadas proteínas musculares. Existem formas leves de distrofia muscular de evolução lenta que só se manifestam na vida adulta. Com um quadro clínico extremamente variável. A mutação de um gene que determina a ausência de determinada proteína pode gerar uma doença mais leve ou mais grave. Quando surge a suspeita da doença, após a observação dos sintomas clínicos de fraqueza muscular, é realizado um teste genético que verifica se alguma mutação para distrofia muscular de Duchenne está presente no DNA. O acompanhamento deve ser realizado com médico neurologista, cardiologista e realização de fisioterapia para trabalhar a musculatura. Apesar da gravidade dessa distrofia, a criança deve junto com a família ter uma vida o mais próximo do normal possível e é essencial o apoio psicológico para os familiares.

                Tendo como principais sintomas: Atrofia e fraqueza muscular progressiva; Retardo e comprometimento do caminhar; Déficit muscular progressivo e generalizado; Comprometimento da musculatura respiratória e cardíaca.

 

                Hoje a maior esperança está na terapia genética, talvez a única forma de tratamento possível e eficaz para cura dessas doenças que, nas formas graves e nas formas congênitas, reduzem a estimativa de vida da criança.

Artigos . De mãe para filho

28/10/2013

Um em cada cinco jovens brasileiros de 2 a 19 anos está com níveis totais de colesterol altos. O dado alarmante é o resultado de um novo levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), divulgado semana passada. Dos jovens que apresentam altos níveis de colesterol, 8% estão com o LDL (o colesterol "ruim") acima do considerado normal.

Segundo a literatura, o normal seria que nessa faixa etária o jovem não apresentasse problemas com colesterol, mas sim um desequilíbrio apenas na fase adulta. Os jovens com problemas de colesterol correm o risco de sofrer infarto na vida adulta dez anos mais cedo do que a média. Eles ainda têm mais chances de desenvolver outros problemas, como derrames cerebrais.

A explicação para isto pode estar em uma pesquisa que aponta que filhos de mães que tiveram colesterol alto antes da gravidez têm chances muito maiores de apresentar o mesmo problema. Muito antes de pensar em engravidar, uma mulher pode influenciar no fato de seu futuro filho ter ou não problemas de colesterol na idade adulta. Conclusão apresentada em uma pesquisa no Congresso Cardiovascular do Canadá. Se uma mulher tiver altas taxas de colesterol ruim (LDL) mesmo antes da gestação as chances do filho também ter altos níveis de LDL no sangue quando adulto são cinco vezes maiores do que se ela apresentar índices normais. Os pesquisadores analisaram dados de três gerações de participantes do Estudo do Coração de Framingham, que começou com 5.200 homens e mulheres adultos em 1948. Ao observar as informações dos filhos e netos da primeira geração de voluntários, os pesquisadores encontraram a ligação entre o risco de ter colesterol alto dos adultos e o histórico desse mesmo problema em suas mães. Ainda segundo os cientistas, o estilo de vida das pessoas e os conhecimentos de genética atuais não são suficientes para explicar todos os motivos que podem aumentar o nível de LDL no sangue. Agora, o próximo passo é descobrir quais são os mecanismos que tornam possível a transmissão do problema de mãe para filho. Assim focando em bloquear esta ponte de ligação nada salutar.

Mas o que sabemos é que a alta taxa de colesterol ruim pode causar uma série de problemas, como aterosclerose, infarto e derrame cerebral. A descoberta do trabalho reforça ainda mais a importância de monitorar a quantidade de colesterol no organismo por meio de consultas médicas e exames, além de adotar hábitos saudáveis que ajudam a regular os níveis da substância, como a prática de exercícios físicos e uma alimentação balanceada.

 

 

Artigos . Males do cigarro, DPOC

11/11/2013

Tosse, expectoração, falta de ar, sensação de aperto torácico; fique alerta! Você pode estar com (DPOC) ou doença pulmonar obstrutiva crônica. Esta patologia respiratória é na verdade, um espectro de doenças que inclui bronquite crônica e enfisema, resultado da exposição das vias aéreas a substâncias tóxicas por tempo prolongado, sendo o cigarro o principal causador.

                Com o aumento progressivo da longevidade ocorrido na segunda metade do século XX e o enorme contingente de fumantes, a DPOC, rara no passado, passou a afetar grande número de indivíduos. Nos países industrializados e em certas regiões do Brasil está entre as cinco enfermidades mais prevalentes. Por esse motivo, a maioria das pessoas que sofrem de DPOC são fumantes, ou foram fumantes no passado. No entanto, a exposição prolongada à poluição do ar, substâncias químicas e outros irritantes pulmonares, pode também contribuir para o desenvolvimento da DPOC.

 Antes de um diagnóstico de bronquite crônica o paciente deve junto de seu médico excluir outras patologias que justifique o aparecimento de tosse crônica, como por exemplo: a asma, algumas infecções respiratórias e tumores pulmonares estão presentes quando um doente apresenta tosse produtiva (com expectoração).

Quando se é fumante é fundamental fazer o diagnóstico avaliando a função ventilatória pela espirometria, um exame não-invasivo. Para realizá-lo, o paciente sopra o ar dos pulmões num aparelho que mede os parâmetros associados à capacidade pulmonar.

A espirometria é tão necessária para o diagnóstico e a avaliação da gravidade da DPOC, quanto medir a pressão arterial é fundamental para os hipertensos. A maioria dos pneumologistas recomenda que todos os fumantes sejam submetidos anualmente a esse teste a partir dos 45 anos de idade. Aqueles que apresentarem declínio da função pulmonar estão em rota de colisão com o aparecimento da dispnéia aos mínimos esforços e da dependência de oxigênio. Em muitos pacientes, com a progressão da doença, desenvolve-se uma limitação gradual em relação às atividades físicas diárias, necessitando em alguns casos do uso de balão de oxigênio para as simples atividades diárias.

 

Parar de fumar é decisivo para o futuro dos pacientes com pequeno grau de obstrução das vias aéreas causada pela fumaça do cigarro, a melhora da função pulmonar já é logo percebida. Mas aos que continuam a fumar o declínio é rápido e progressivo.

Artigos . Anti-inflamatórios cutâneos funcionam?

06/01/2014

Devidamente fardado o esportista de final de semana tem por característica junto de todo o seu aparato técnico levar também o famoso spray, gel, pomada, creme, em fim, aquele milagroso anti-inflamatório com cheiro impar, que, quem pratica esporte sabe de longe o que é, mas será que ele serve mesmo em caso de lesão muscular?

    Com promessa de alívio imediato da dor, os anti-inflamatórios cutâneos chamam a atenção de quem não vê a hora de se livrar do desconforto que as lesões causam. Os produtos, que muitas vezes contam com mentol e cânfora na formulação, trazem uma sensação de conforto no local, mas a penetração desses anti-inflamatórios na derme é muito pequena, mesmo assim muitos atletas consideram a ação do produto excelente e afirmam que a sensação de alívio de fato acontece. Normalmente utilizado por pessoas sem a recomendação de um especialista e de forma empírica, estas substâncias apenas proporcionam sensação na pele, seja ela de gelado ou calor, e não pela reação analgésica ou anti-inflamatória nos músculos. É um efeito placebo, mas existe.

Como esses produtos são vasodilatadores devido a sua composição química, isso significa que ele fará com que a circulação naquela região seja aumentada. Portanto, ao invés de diminuir o edema, ele irá aumentar fazendo o local ficar mais roxo e inchado do que deveria. Consequentemente ao passar a sensação de gelo ou calor, a dor, o edema e o derrame estarão maiores.

Segundo especialistas não há diferença entre os produtos, o que pode haver são preços e embalagens diferentes. Em alguns casos a praticidade da aplicação também é um fator, por exemplo: os sprays normalmente são utilizados por atletas, que não terão como lavar as mãos em seguida, já os cremes, podem ser aplicados em qualquer lugar. Quando o medicamento é em forma de emplastros a sensação costuma ser um pouco diferente. Como estes produtos concentram a ação das substâncias no mesmo local por mais tempo, irá acontecer que o atleta terá a percepção de conforto na pele por um período maior, apenas isto.

       Então não importa a atividade física a qual esta praticando, o mais indicado a fazer quando diante de uma lesão é parar e colocar gelo no local. A compressa de gelo fará com que diminua o edema e impeça que uma lesão pequena se torne grande. Quanto maior o edema, mais difícil será a cicatrização do tecido muscular. Em seguida ouça a opinião de um especialista, isso é fundamental e pode diminuir o tempo de recuperação e dor consideravelmente. Não use medicamentos por conta própria por mais inofensivos que pareçam ser.

Artigos . Dores e lesões da corrida

13/01/2014

Para os praticantes de corrida, dores após o treino parece já fazer parte do “menu”. Mas com certeza não. O que se deve fazer quando a dor chega é respeitar os limites do corpo e parar, esta é a melhor forma de evitar problemas.

      A praticidade da corrida, bem como o caráter democrático, esta criando uma situação antagônica. Como ela ajuda a combater o sedentarismo e suas consequências mais preocupantes, como a obesidade e as doenças cardiovasculares é extremamente benéfica a saúde, mas está produzindo um grande número de praticantes que sofrem, às vezes por meses, com dores e lesões em músculos, tendões e ossos.

       Um novo estudo mostrou que: joelhos, pés, pernas, tornozelo e coluna são as áreas do corpo mais afetadas por lesões causadas pela corrida. Esta pesquisa demonstrou as características de treinamento e histórico de lesões em 200 corredores que corriam por lazer há pelo menos seis meses. E o que foi constato é que os corredores com mais tempo de prática de corrida eram justamente os que apresentavam taxas menores de lesão. Mostrando que os mais experientes estariam mais adaptados ao esporte e, entendendo melhor os limites do próprio corpo, estariam mais protegidos de dores e lesões. Já os corredores mais recentes e com maiores índices de lesões estariam vulneráveis pelas razões opostas: despreparo, muitas vezes associado ao excesso.

         O  que se sabe hoje é que quem corre mais de 50 km por semana está mais propenso a lesões do que quem fica dentro desse limite. Foi constato também que o aumento súbito na carga de treino, ou seja, acelerar demais o ritmo ou percorrer distâncias muito maiores do que se está habituado, contribui de forma decisiva para o surgimento de dores e lesões

       Cuidados devem ser tomados mesmo para quem participa de grupos de corrida orientada ou treina individualmente com um profissional especializado. Praticar exercícios físicos com a supervisão ajuda, e muito, a fugir das lesões mais frequentes. Mas, no entanto isso não consegue inibir o excesso fora dos dias e horários de treino.

                Não se pode nunca negligenciar sintomas como dores durante a corrida, isto pode significar que algo esta errado em muitos detalhes. Desde como se corre até uma lesão mais grave. Fortalecer a musculatura envolvida na corrida, principalmente abdômen, ajuda a afastar problemas, mas a cautela segue sendo a forma mais eficaz de prevenir o surgimento de lesões. Durante a corrida os ossos sofrem microfissuras que são regeneradas no intervalo em que o organismo descansa do exercício, então não esqueça que descansar faz parte do treinamento.

Artigos . Obsessão por alimentos saudáveis pode ser doença

27/01/2014

Ler o rótulo de todos os produtos, contar calorias, buscar a produção desde a origem do produto; são alguns dos indícios de que os hábitos alimentares podem estar fora de controle. Diferentemente de distúrbios mais conhecidos, como anorexia e a bulimia, a ortorexia nervosa vem à tona acometendo um público que transforma a importância em manter uma alimentação saudável em obsessão.

O indivíduo que apresenta o quadro de ortorexia inicia uma busca obsessiva por regras de alimentação saudável. Buscando informações nos meios de comunicação, porém estas são distorcidas e exageradas para ficarem saudável. Com isto acaba por excluir muitos alimentos, começando com aqueles considerados impuros, como corantes, conservantes, gorduras trans, açúcar, sal, com agrotóxicos, pesticidas, alimentos transgênicos, entre muitos outros. E Isto acaba levando a exclusão de grupos de alimentos considerados importantes para uma nutrição adequada, podendo chegar até o quadro de carências nutricionais fundamentais. Outro detalhe que caracteriza o quadro é a obsessão em saber a origem dos alimentos, como foram plantados, colhidos ou criados, além dos processos até a chegada aos supermercados. Uma das situações citadas por pesquisadores, diz que há ortoréxicos que só ingerem alimentos se tiverem informações detalhadas sobre todo esse procedimento.

Com o passar do tempo o agravamento da patologia se da por que as opções vão ficando mais restritas e o funcionamento do organismo comprometido, já que pessoas com ortorexia excluem geralmente grupos como carnes, laticínios, gorduras e carboidratos sem fazer a substituição adequada.

       Foram apontadas semelhanças e diferenças entre o comportamento alimentar observado na ortorexia nervosa e nos transtornos alimentares mais frequentes (anorexia e bulimia nervosa). E os grupos mais vulneráveis à doença são: estudantes de medicina, médicos, nutricionistas, pessoas ansiosas, obsessivo-compulsivos e aqueles que supervalorizam o corpo perfeito.

      As consequências para o ortoréxicos acabam sendo a Anemia e a Osteoporose a longo prazo, evidenciadas e potencializadas pela perda de peso acentuada. Para evitar tal transtorno alimentar, é necessário bom senso na ingestão de frutas, vegetais e alimentos integrais e é de suma importância que o indivíduo entenda que uma alimentação saudável não é restringir certos grupos de alimentos e sim deve ser balanceada e ter os nutrientes necessários para a saúde completa. 

 

Artigos . Fatores que afetam o coração

10/02/2014

  Nos Estados Unidos existe uma enorme preocupação com a saúde cardíaca da população, tanto que foi criado no mês de fevereiro o que eles chamam de American Heart Month, ou seja, um mês dedicado aos cuidados com este órgão que a maioria das pessoas não dá o devido cuidado.

  De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention, 2.200 pessoas morrem todos os dias por derrames e outras doenças cardíacas. Para alguns fatores de risco não há ainda formas de controlar, como os genéticos, por exemplo, mas para outros existem formas fáceis de se dominar e entre eles estão: comer de forma saudável, praticar atividade física regular, parar de fumar e manter o peso ideal.

Alguns dos resultados mais interessantes descobertos no último ano, relacionados à saúde do coração, são:

 

Pacientes com doenças arteriais coronárias que tinham uma atitude positiva se mostraram mais aptos aos exercícios e também a viver por mais tempo, revela uma pesquisa do American Journal of Cardiology.

Um estudo mostrou que a carne processada exerce um papel importante na saúde do coração. Ela foi associada ao aumento do risco de câncer e doenças cardíacas. Se todos os participantes tivessem um consumo de carne processada menor do que 20 g por dia diminuiriam em 3,3% as mortes.

        Fazer um bom café da manhã todos os dias pode diminuir o risco de ataque cardíaco ou de morte por doença coronariana.

De acordo com a Nature Medicine, há um novo motivo pelo qual a carne vermelha pode não ser algo tão bom para o seu coração. Uma substancia encontrada nela chamada de l-cartinina, pode desempenhar um papel importante nas doenças do coração.

Parar de fumar pode levar menos tempo do que se imaginava para o risco de morte por doença cardíaca diminuir e se igualar a quem nunca fumou. Antes se acreditava que o tempo era de 15 anos, hoje segundo o American Heart Association é de 8 anos e o risco cai em até 35% menos de mortalidade.

Estudos mostram que o risco de ataques cardíacos aumenta ao passo que a temperatura baixa. Um deles comprovou que o colesterol alto, a pressão sanguínea e a circunferência da cintura são maiores durante os meses de inverno.

Fazer uma caminhada que gaste a mesma quantidade de calorias que a corrida, pode ajudar a baixar a pressão sanguínea, o colesterol alto e o risco de diabetes, segundo o jornal Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology.

  E por último. Foram identificados relações entre altos níveis de estresse e os riscos cardíacos. Uma pesquisa mostrou uma relação entre os níveis do cortisol, hormônio do estresse, e o aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Artigos . Os males da noite mal dormida

17/02/2014

  Todos nós já sentimos os efeitos de uma noite mal dormida. Aquele cansaço, olheiras, mal humor, mas um estudo recém publicado mostra que existem muitos outros problemas e mais graves que estes citados.

Os malefícios de dormir mal são muitos. A privação de sono crônica pode aumentar os riscos de você ter: hipertensão, AVC, diabetes, depressão ou mesmo engordar. Mas quantas horas de sono afinal cada pessoa precisa? A média na população seria de sete horas e meia de sono ao dia, mas o ideal seria acordarmos com a sensação de que dormimos o suficiente, ou seja, descansados.

O problema é que apenas uma noite mal dormida já pode ocasionar uma série de problemas. Hoje é sabido que um terço da população está dormindo 2 a 3 horas a menos do que precisa, com isso aumenta a chance de acidentes, por exemplo; com apenas uma hora a menos de sono já é possível sentir efeitos do cansaço no dia seguinte e dificuldades de concentração. O sistema de defesa do nosso corpo está diretamente ligado ao ciclo do sono, e mesmo sendo apenas por uma noite, já é possível sentir as consequências, fazendo com que nossas células de defesa (células T) e natural killers (NK) caiam consideravelmente.

  Pesquisadores já mostraram que é durante a noite que nós fixamos a memória. A fase das ondas lentas e o sono REM são fundamentais para essa assimilação, e ambas só são atingidas quando chegamos ao sono mais profundo, o que se reduz quando dormimos menos.

Os hormônios que regulam a saciedade são organizados em ciclos e um destes ciclos se da enquanto dormimos, ou seja, se dormirmos pouco há uma alteração nessa ordem toda. Pessoas que dormem poucas horas de sono (menos de seis horas) têm índice de massa corporal (IMC) maior do que aqueles que dormem entre 7 a 8 horas, tendo assim uma concentração maior de gordura corporal, sem falar em uma vontade maior de consumir açúcar.

 

Pessoas que dormem menos são consideradas menos atraentes. E não é somente pelas olheiras. Pouco sono ou sono de má qualidade esta relacionado a uma redução na produção do hormônio de crescimento GH, que é fundamental para a renovação celular, prevenindo o envelhecimento precoce da pele e o acúmulo de tecido adiposo .

  Uma pesquisa realizada em 2013 mostrou a hiperativação do sistema límbico, de áreas cerebrais relacionadas ao estresse e ansiedade em pessoas privadas de sono. Isso significa menos controle emocional quando se dorme pouco. O que significa mais momentos de raiva e tristeza no dia a dia. Então sempre que possível busque o descanso de uma boa noite de sono.

 

Artigos . A qualquer hora

24/02/2014

  Vários motivos e situações já nos criaram surpresas ao saber da morte de uma pessoa por mal súbito. Frases como: tão jovem!  Fazia exercício sempre! Ou não fumava. São expressões comuns para demonstrar espanto com a perda da vida de uma pessoa.  Ao contrário do que muitos acreditam, o mal súbito pode resultar tanto do excesso de atividade física quando da falta dela. Como o coração é um músculo, ele normalmente cresce com a aceleração dos batimentos cardíacos durante a atividade física intensa e exagerada. Processos inflamatórios, alterações degenerativas, doenças congênitas ou infecciosas, miocardites por bactérias e vírus, anemia falciforme, intoxicações, reflexos nervosos também são fatores importantes para esta causa.

Em crianças, a morte súbita é mais comum nos primeiros três meses de vida, tornando-se rara após os seis meses. Em geral, está ligada a fatores hereditários e ocorre mais em filhos de mães fumantes. Em adultos, está ligada a problemas cardíacos, nem sempre conhecida pelo portador, especialmente em esportistas.

    A hemorragia cerebral, causada geralmente por aneurismas congênitos, dilatações anormais das artérias cerebrais, que se rompem ou uso de drogas ilícitas; como cocaína, crack, heroína ou ecstasy ou mesmo as lícitas, estimulantes como efedrina e anfetamina, diuréticos, álcool e anabolizantes, são outra das causas de mal súbito. Mesmo medicamentos considerados inocentes, como descongestionantes nasais, os usados para emagrecer, os que atuam no sistema nervoso central, estimulantes cerebrais ou antidepressivos, antibióticos ou alguns medicamentos para tratar doenças cardíacas podem provocar arritmias graves e por vezes são fatais.

     Quando um coração apresenta uma arritmia quando exposto a esforços físicos ou a medicamentos, já é um sinal que devemos tomar como alerta sobre uma possível doença cardíaca. A arritmia fatal está ainda associada a esforços extremos, mas tudo depende do condicionamento físico de quem pratica a atividade e da presença ou não de uma doença de base. Temos que ter regularidade na pratica de exercícios físicos, já que ele previne doenças cardíacas e melhora o condicionamento físico. Além disso, controla doenças como hipertensão, pois melhora a circulação sanguínea e a irrigação de todo o organismo por oxigênio, bem como previne o diabetes, em razão de aumentar a sensibilidade à insulina.

Mas, sempre é muito importante o check-up regular e o acompanhamento de um profissional para aquela pessoa que já apresenta uma predisposição ou faz parte de algum grupo de risco.

 

Artigos . Doença Renal Crônica

17/03/2014

O dia 13 de março foi instituído como o dia mundial do Rim. Parece tão pouco para ter um dia no mundo para se falar dele, mas devíamos ter em mente cuidar dele todos os dias. O tema deste ano é: 1 em 10. O Rim envelhece, assim como nós! Há 10 anos já se promove aqui no Brasil ações neste dia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia, com a função de orientação, levando assim para a população informações sobre os fatores de risco para a Doença Renal Crônica (DRC), bem como sobre o diagnóstico precoce.

A alta prevalência da DRC, que pode chegar a 10% da população. Sendo caracterizada pela perda progressiva e irreversível das funções renais. Esse percentual pode aumentar para 30% a 50% em pessoas acima de 65 anos, deixando evidente que o risco para o seu aparecimento aumenta substancialmente com o envelhecimento.

  Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença destacam-se; a hipertensão arterial, o diabetes mellitus, obesidade, tabagismo e presença de histórico familiar de doença renal. Segundo o governo brasileiro, considerando a população brasileira maior de 18 anos, mais de 20% tem hipertensão arterial, cerca de 8% tem diabetes, 18% são tabagistas e cerca de 50% metade tem excesso de peso. Os desfechos mais alarmantes da DRC são a mortalidade por doença cardiovascular e a necessidade de Terapia Renal Substitutiva (TRS).                                                                                                                          Para mensurarmos o grau da gravidade cardiovascular da DRC, um jovem de 30 anos que esteja em diálise tem a mesma chance de morrer do coração que um senhor de 80 anos com a função renal esperada para a sua idade. A TRS consiste de hemodiálise, diálise peritoneal e transplante. De acordo com dados da SBN, em 2012 havia cerca de 100 mil brasileiros em diálise. Desses, 30% tinham mais de 65 anos de idade, sendo essa frequência três vezes mais elevada do que na população geral.

Apesar do tratamento substitutivo através da diálise, a mortalidade desses indivíduos é em torno de 15% ao ano, sendo maior no início da terapia, por conta do diagnóstico tardio. Um dado chocante, e que contribui de forma significativa para essa mortalidade é que cerca de 70% dos pacientes que iniciam diálise desconheciam serem portadores da doença. Algumas medidas simples podem prevenir o aparecimento de doenças renais: controlar a dieta: evitar o excesso de sal, carne vermelha e gorduras; evitar excesso de peso; fazer exercícios regularmente; não fumar; controlar a pressão arterial e o diabetes; verificar periodicamente os níveis de proteinúria e dosagem de creatinina no sangue. (fonte: Dr. Daniel Rinaldi dos Santos - Presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia)

Artigos . Lombalgia

21/04/2014

Quase uma epidemia a dor na região lombar acomete muitas pessoas, sem escolher idade ou gênero. Tecnicamente conhecida como lombalgia, ela acontece quando uma pessoa tem dor na região mais baixa da coluna, perto do quadril. A lombalgia pode ter diferentes causas, algumas complexas ou nem tanto. Na maioria das vezes o problema não é grave, sendo apenas uma questão postural ou de fortalecimento muscular na região lombar e principalmente na abdominal.

Hábitos diários são fundamentais para prevenir o aparecimento destas dores. A má posição ao sentar, deitar, se abaixar ou carregar algum objeto pesado, pode acabar por lesionar músculos, tendões e em algumas vezes até um deslocar vértebras da coluna. Em outros casos esta dor pode ser causada por inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, artrose (processo degenerativo de uma articulação) e até problemas emocionais.             Dividida em dois tipos, a lombalgia, quando de forma aguda a dor é forte e aparece subitamente depois de um esforço físico. Nestes casos mais comuns em jovens.  Já a forma crônica geralmente acontece entre os mais velhos; a dor não é tão intensa, porém é quase permanente.

           É muito importante que durante a fase aguda os exercícios físicos sejam suspensos e deve-se fazer repouso absoluto. De preferência sempre em um plano horizontal reto. Com cuidados específicos para os membros inferiores. Evita-se na fase aguda: tração, manipulação, RPG, cinesioterapia, alongamento e massagem. Com a orientação de um especialista, analgésicos e antiinflamatórios podem ser usados e em alguns casos sedativos são úteis para ajudar a manter o paciente em repouso no leito.

Para casos de hérnia de disco uma análise deve ser bem estudada, pois quase todas regridem com repouso no leito, sem necessidade de cirurgia. Assim, a hérnia deixa de comprimir estruturas importantes, principalmente as inervações. O tratamento cirúrgico está indicado em apenas 10% dos casos, os quais a crise não passa entre três a seis semanas.

Por ser multifatorial, a lombalgia pode ser prevenida com alguns cuidados básicos, como: A correção postural, principalmente na maneira de sentar no trabalho ou na escola. Na execução de exercícios físicos durante o treinamento, no dia a dia ao pegar um peso e até nos períodos de temperaturas mais baixas. Atentar-se a colchões macios demais ou excessivamente duros também é importante. Mas o mais relevante é manter o corpo fortalecido e flexível na região da cintura, esta é a melhor maneira de evitar a lombalgia.

Artigos . A solução no próprio corpo

21/07/2014

Disritmias cardíacas fazem que a cada ano 300 mil marca-passos sejam colocados no coração de pacientes em todo o mundo. Mesmo funcionando bem, o aparelho está longe de ser universal: nem sempre chega às populações de baixa renda e não pode ser usado em alguns grupos de pacientes.

Buscando resultados que possam atingir uma gama maior de pacientes é que foram publicados na edição da revista Science Translational Medicine por pesquisadores do Instituto do Coração Cedars-Sinai de em Los Angeles a descoberta de um “marca-passo biológico” que poderá funcionar como uma alternativa ao equipamento tradicional. A equipe liderada pelo taiwanês Yu-Feng Hu apostou no gene TBX18 para reverter os defeitos da máquina humana. A idéia dos cientistas era o bloqueio cardíaco completo, uma doença caracterizada pelo descompasso dos batimentos do órgão vital. O principal autor descreve, no estudo, que há uma pequena área do coração que é altamente especializada na tarefa de fazê-lo bater: o nódulo sinoatrial. A região é o motor que faz as câmaras musculares bombear o sangue pelo corpo. Quando essa parte da engenharia cardiovascular falha, o órgão pode bater muito lentamente ou parar de pulsar por completo.

Uma série de experimentos com porcos, animais com características genômicas semelhantes às dos seres humanos, revelou que o TBX18 tem capacidade de transformar as células normais do coração em células especiais do nódulo sinoatrial. Os resultados da injeção do gene nas cobaias apareceram poucos dias após o procedimento, e o coração dos suínos funcionou no ritmo normal por até duas semanas sem o auxilio de dispositivos convencionais.

De valor inestimável para o coração de dois grupos de pacientes a ação do TBX18 é fundamental para quem precisa urgentemente de um marca-passo, mas que não pode receber o dispositivo. O primeiro é o de fetos que têm problemas cardíacos congênitos. Não é possível colocar o dispositivo tradicional nesses bebês, que, em decorrência dos problemas, correm o risco de morrer ainda na barriga da mãe. Outra aplicação potencial envolve adultos que dependem do dispositivo, mas que desenvolveram infecções graves após a implantação dos mesmos e precisam removê-los. Com a injeção de TBX18 se ganha tempo para permitir que elas sobrevivam o suficiente sem o marca-passo até que os aparelhos sejam instalados definitivamente.

Outro detalhe muito importante da técnica é que para injetar o gene não é preciso abrir o tórax, o que geralmente é feito em procedimentos cardíacos. Além disso, o sucesso do tratamento pode ser medido apenas com um monitor cardíaco. Espera-se iniciar os testes em humanos dentro de três anos. Que seja breve como é revolucionário.

Artigos . Dores do inverno

18/08/2014

Muitos alunos já me procuraram para relatar dores em dias chuvosos ou frios. Muitos pesam até em parar de treinar no inverno, pois demonstram um desconforto considerável. Fazendo treinamentos diários de musculação ou de algum outro exercício físico esta pessoa refere dor nestes dias. Isto não é apenas coincidência. Embora os estudos mostrem resultados variáveis, a maioria conclui que mudanças na pressão barométrica e diminuição da temperatura podem sim causar mais dor em algumas pessoas, especialmente portadores de artrite e em locais operados.

  A mudança no clima para o frio indica uma redução na pressão barométrica ou "baixa pressão" se movendo para determinada região. Quando o tempo esquenta, ou um "sistema de alta pressão" se move, o aumento da pressão barométrica pode trazer alívio. Muitas pessoas que se queixam de dores nas articulações sentem conforto quando estão em profundidades maiores durante o mergulho, com o aumento da pressão ambiente.

        O que acontece nestes dias é que a pressão contra o seu corpo cai também, suas articulações e áreas lesionadas podem começar a inchar ou doer. Este edema causa aumento da inflamação e assim exigi que hormônios aumentem sua atividade para lidar com tal situação.

      A alteração hormonal neste caso acontece nas glândulas supra-renais, que produzem a cortisona. Quando a pressão cai, a tendência é que a produção deste hormônio que controla também a dor diminua aumento assim a sensação de dor. Outra situação é a mudança na carga elétrica. Quando uma tempestade está se aproximando há uma alteração eletrostática corpórea, gerando contração neural e consequentemente dor.

Existem muitos receptores no nosso corpo com terminações nervosas, que podem detectar fatores como textura, temperatura e pressão. No entanto, essas terminações nervosas também podem detectar mudanças na pressão barométrica e responder, em algumas pessoas, com uma reação de dor. O caso é pior em pessoas que estão cronicamente estressadas, física ou emocionalmente, e nos idosos. E também existe a hipótese de que a dor no frio seja causada por tensão e contração muscular ao redor dos nervos e articulações, devido à vasoconstricção que a baixa temperatura causa.

Mas todos nós já sabemos que se alimentando corretamente, fazendo exercícios e evitando álcool e protegendo-se do frio, certamente muitas das dores relatadas não serão sentidas.

Artigos . Livre de lesões

25/08/2014

Muitas pessoas ainda pensam que quanto mais, melhor. Mas nosso organismo necessita de um momento para descansar e se recuperar para a próxima fase intensa e de ganho. Existe um momento no plano de treinamento que mesmo quem não é atleta profissional precisa intercalar treinos fortes com moderados e leves, isso faz com que o indivíduo combata o cansaço físico, fique livre de lesões e ainda regenere mais rápido as fibras musculares.

O treino regenerativo como é conhecido, consiste em corrida, caminhada ou outras atividades de baixa intensidade, com a função de fazer a recuperação muscular e do sistema cardiovascular, pois ativa a circulação e leva oxigênio para grupos musculares que auxiliam também na remoção do ácido lático, substrato liberado na corrente sanguínea em decorrência de um esforço intenso durante o exercício. Em muitos casos esta é a causa das dores agudas nas depois de atividades de alta intensidade. Este tipo de treinamento evita o chamado overtraining, onde ultrapassamos dos nossos limites de saúde, pois é considerado um descanso ativo do corpo. Recomenda-se que após a atividade intensa ou de longa duração, o corredor deva dar um descanso ao corpo de até 12 horas (profissionais) e 24 horas (amadores). Após esse período, a corrida leve e a musculação de baixa intensidade são medidas úteis para não para se manter sempre ativo e sem lesão.

É importantíssimo que a atividade regenerativa faça, parte de sua planilha de treinamento mesmo para quem é iniciante na corrida. O treino de baixa intensidade, que tem como finalidade o descanso metabólico coloca o atleta em movimento dentro de uma zona confortável. Por isso, o ideal é intercalar o treino regenerativo às corridas longas e os treinos de tiro.

 

Este treino aliado a uma boa alimentação, a hábitos saudáveis e a corridas fortes, irá promover um aumento da circulação sanguínea. Também irá ajuda a eliminar resíduos de treinos anteriores e, em meio ano, os resultados serão significativos, com aumento do fôlego e da velocidade, além de mudanças psíquicas e maior disposição aos estímulos mais fortes. 

Artigos . Lesões de cartilagem

08/09/2014

Com tantos praticantes de esportes, sejam eles de quadra, de pista, de rua ou mesmo em academias, o número de pessoas com lesões tem aumentado consideravelmente, devido a muitos fatores, desde excesso de treinamento até execução do mesmo de forma errônea. Uma das lesões que mais tem aumentado as estatísticas é nas de articulações, principalmente na cartilagem.

Um detalhe bem importante é que a cartilagem não gera dor, pois não há inervações nesta região. Havendo dor neste local é bem possível que ela seja decorrente de uma lesão bem mais profunda. As dores articulares geralmente acontecem quando esta lesão atinge o osso que sustenta a cartilagem, chamado de osso sub-condral. Esta parte óssea é rica em terminações nervosas e consequentemente dói muito quando lesionadas.

As lesões em áreas cartilaginosas podem ser decorrentes de traumatismos, sobrecarga, luxações, alterações anatômicas das articulações ou desequilíbrios musculares. Algumas medidas que podem ajudar a absorver parte da carga compreendem na perda de peso por parte do paciente, alteração de suas atividades, e fortalecimento dos músculos que atravessam a articulação. O tratamento inicial das lesões de cartilagem, tenta reequilibrar as forças musculares que agem na região comprometida. Sendo conservador, é iniciado com um trabalho de reabilitação junto de um fisioterapeuta e depois progredindo para exercícios de recuperação, como: fortalecimento e alongamento sob a orientação de um profissional de educação física.

Durante o período de tratamento alguns medicamentos podem ser usados para auxiliar, os quais serão sempre decididos pelo médico. Estes podem ser específicos para o tratamento de artrose, e podem ser sistêmicos ou locais, dependendo da resposta e gravidade da lesão. Nos casos de lesões condrais localizadas é importante que se institua o tratamento adequado, pois podem evoluir para lesões extensas (osteoartrose) em curto espaço de tempo. O tratamento medicamentoso para estas lesões é limitado e baseia-se no uso de suplementos alimentares (glicosaminas, condroitinas) e drogas condroprotetoras. Já o tratamento cirúrgico visa restaurar a cartilagem comprometida. Isso pode ser feito por “microfraturas” (cirurgia por artroscopia que promove o sangramento intra-articular) ou ainda por outro procedimento chamado PRP (Plasma Rico em Plaquetas), este procedimento é feito por um tecido com características biológicas do próprio paciente.

Artigos . Alergias da estação

06/10/2014

Para muitas pessoas a chegada da primavera é um verdadeiro martírio, a estação mais bela do ano aumenta considerável a quantidade de pessoas que ficam com alergias causadas pelo pólen das plantas nesta época do ano. Neste período fica muito mais comum às pessoas terem crises de asma, rinite alérgica, conjuntivites, entre vários outros problemas nos olhos. E ainda a saúde poderá ser afetada devido à baixa umidade do ar e a variações de temperatura.

A primavera é um período bastante intenso do florescer e também da polinização das plantas, é durante esta época que os grãos de pólen são carreados e em alguns destes agentes são o vento e os insetos que fazem este trabalho, assim o ar então fica repleto de grânulos muitas vezes imperceptíveis, mas que desencadeiam a alergia da primavera.

Aqui estão alguns sintomas comuns que podem ter relação com alergia:

1- Os sintomas gripais, repetidos ou crônicos, costumam se desenvolver na mesma época, todos os anos. Pode-se incluir o corrimento e congestão nasal, espirros, pigarro, coceira e olhos lacrimejantes;

2- Tosse recorrente, chiado, aperto no peito, dificuldade para respirar e outros sintomas respiratórios podem ser um sinal de asma. A tosse pode ser um fator isolado. Os sintomas que aumentam durante a noite ou com o exercício são visados como suspeitas de asma;

3- Olhos vermelhos, coceira, seca, erupções cutâneas nas dobras dos cotovelos e/ou joelhos, ou na parte de trás do pescoço, nádegas, pulsos, ou tornozelos;

4- Sintomas como urticária, inchaço, engasgos, tosse, vômitos ou dor abdominal significativa que se repetem depois de comer um determinado alimento;

5- Coceira ou sensação de formigamento nas orelhas, boca, garganta, e/ou durante certas épocas do ano ou depois de comer certos alimentos, especialmente frutas frescas.

As alergias por serem de origem genética não podem ser evitadas, apesar disso é possível diminuir o contato com fatores que possam desencadear crises, como por exemplo, o pólen. Mas a melhor prevenção contra as alergias é limpar os ambientes internos com pano úmido, principalmente os quartos. A remoção de sujeira com vassoura faz com que ácaros, pólen, e pelos de animais fiquem suspensos no ar, fatores desencadeantes das crises. Os locais também devem ser bem arejados. Já as roupas que ficaram guardadas por muito tempo no armário devem ser lavadas ou expostas ao sol.

 

 Manter-se ativo é importantíssimo, pois o esporte é uma verdadeira terapia contra as alergias. Vários estudos mostram os efeitos positivos do exercício físico para o sistema cardiorrespiratório.

Artigos . GPS cerebral

13/10/2014

É fantástico com o cérebro humano ainda está longe de ser totalmente conhecido e usado em sua plenitude. O que conhecemos como GPS (Sistema de Localização Global) sigla em inglês, hoje é o termo que esta sendo usado para a nova descoberta dos ganhadores do premio Nobel de Medicina. Os pesquisadores John O’Keefe, do University College de Londres e ao casal May-Britt e Edvard Moser, da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia de Trondheim, nomearam assim sua nova descoberta, as células que constituem um sistema de posicionamento no cérebro.

Já no ano de 1971 o doutor O`keefe, hoje com 74 anos descobriu que no cérebro do rato, numa estrutura chamada hipocampo, certas células se ativavam quando o animal se encontrava numa dada posição de uma sala e outras quando se encontrava noutras posições. O hipocampo desempenha um papel particularmente importante na consolidação da memória e nas capacidades de navegação no espaço ao redor. O cientista concluiu então que essas células formavam um mapa cerebral interno do mundo exterior e as denominou de células de posicionamento. Assim descobriu o primeiro componente do GPS cerebral. Os Moser começaram a analisar as ligações nervosas entre as células de posicionamento descobertas por O’Keefe e outras células nervosas. E foi assim que, também em experiências com ratos, encontraram, numa estrutura cerebral chamada córtex, certas células que se ativavam quando um rato passava numa dada posição do espaço onde se encontrava.

 

  Para tentar perceber o que se passava, deixaram os animais circular livremente dentro de caixas enquanto registavam, através de eletrodos implantados no seu cérebro, os locais onde se ativava cada uma das células que estavam a monitorar. Tinham assim descoberto um segundo elemento-chave do sistema cerebral integrado de ajuda à navegação. Os dois sistemas interagem: quando por cima destas células formadas no córtex se vem sobrepor o padrão de atividade das células de posicionamento do hipocampo, isso permite ao animal saber onde estão os marcos de referências à sua volta.  Estes elementos do GPS cerebral existem também no cérebro dos seres humanos. E nos doentes com Alzheimer, que frequentemente perdem o sentido da orientação e deixam de reconhecer mesmo os locais que lhes são mais familiares.

Esta descoberta pode mudar totalmente a maneira de tratar este tipo de patologia, que cada dia acomete mais a população que esta envelhecendo. 

Artigos . Nova vida

27/10/2014

Depois de passar anos de sua vida paralisado do peito para baixo, um homem de 40 anos conseguiu andar novamente após um tratamento inovador que envolveu o transplante de células de sua cavidade nasal para a medula espinhal. Darek Fidyka estava paralisado havia quase dois anos e não mostrava nenhum sinal de recuperação, apesar de meses de fisioterapia intensiva. Agora, ele pode andar usando um andador, além de recuperar algumas funções da bexiga, intestinos e funções sexuais.

O tratamento, inédito no mundo, foi realizado por cirurgiões poloneses em colaboração com cientistas em Londres. O chefe de regeneração neural do Instituto de Neurologia da Universidade College, liderou a equipe de pesquisadores. Ele disse que o resultado é "mais impressionante do que o homem andar na lua". O tratamento utilizou células especiais que fazem parte do sentido do olfato. Elas agem como células de direção, que permitem que as fibras nervosas do sistema olfativo sejam continuamente renovadas.

Na primeira de duas operações, os cirurgiões removeram um dos bulbos olfativos do paciente e as células cresceram em cultura. Duas semanas depois, eles transplantaram as células para a medula espinhal, que tinha sido reduzida a uma pequena faixa de tecido. Cerca de 100 microinjeções de células olfativas foram feitas acima e abaixo da lesão, alem de tiras finas de tecido nervoso tiradas do tornozelo e colocadas através de uma lacuna de 8 mm no lado esquerdo da medula espinhal. Os cientistas acreditam que as células olfativas forneceram uma direção, permitindo que as fibras acima e abaixo da lesão se reconectassem, usando os enxertos de nervos para preencher a lacuna na medula espinhal. Com um programa de exercícios que já realizava antes do transplante - cinco horas por dia, cinco dias por semana, ele notou pela primeira vez que o tratamento havia sido bem sucedido após cerca de três meses, quando sua coxa esquerda começou a desenvolver músculos. E apenas seis meses depois, ele foi capaz de tentar seus primeiros passos com a ajuda de barras paralelas e com o apoio de um fisioterapeuta.

Dois anos após o tratamento, ele pode andar fora do centro de reabilitação utilizando um andador.  Um fator determinante para o sucesso do procedimento foi que os cientistas usaram células do próprio paciente. Isso significa que não havia perigo de rejeição. Exames mostraram que a lacuna na medula espinhal fechou-se após o tratamento.

“Quando você não pode sentir quase metade do seu corpo, você é impotente, mas quando ele começa a voltar, é como se você tivesse nascido de novo”.

 

 

Artigos . Nova vida

27/10/2014

Depois de passar anos de sua vida paralisado do peito para baixo, um homem de 40 anos conseguiu andar novamente após um tratamento inovador que envolveu o transplante de células de sua cavidade nasal para a medula espinhal. Darek Fidyka estava paralisado havia quase dois anos e não mostrava nenhum sinal de recuperação, apesar de meses de fisioterapia intensiva. Agora, ele pode andar usando um andador, além de recuperar algumas funções da bexiga, intestinos e funções sexuais.

O tratamento, inédito no mundo, foi realizado por cirurgiões poloneses em colaboração com cientistas em Londres. O chefe de regeneração neural do Instituto de Neurologia da Universidade College, liderou a equipe de pesquisadores. Ele disse que o resultado é "mais impressionante do que o homem andar na lua". O tratamento utilizou células especiais que fazem parte do sentido do olfato. Elas agem como células de direção, que permitem que as fibras nervosas do sistema olfativo sejam continuamente renovadas.

Na primeira de duas operações, os cirurgiões removeram um dos bulbos olfativos do paciente e as células cresceram em cultura. Duas semanas depois, eles transplantaram as células para a medula espinhal, que tinha sido reduzida a uma pequena faixa de tecido. Cerca de 100 microinjeções de células olfativas foram feitas acima e abaixo da lesão, alem de tiras finas de tecido nervoso tiradas do tornozelo e colocadas através de uma lacuna de 8 mm no lado esquerdo da medula espinhal. Os cientistas acreditam que as células olfativas forneceram uma direção, permitindo que as fibras acima e abaixo da lesão se reconectassem, usando os enxertos de nervos para preencher a lacuna na medula espinhal. Com um programa de exercícios que já realizava antes do transplante - cinco horas por dia, cinco dias por semana, ele notou pela primeira vez que o tratamento havia sido bem sucedido após cerca de três meses, quando sua coxa esquerda começou a desenvolver músculos. E apenas seis meses depois, ele foi capaz de tentar seus primeiros passos com a ajuda de barras paralelas e com o apoio de um fisioterapeuta.

Dois anos após o tratamento, ele pode andar fora do centro de reabilitação utilizando um andador.  Um fator determinante para o sucesso do procedimento foi que os cientistas usaram células do próprio paciente. Isso significa que não havia perigo de rejeição. Exames mostraram que a lacuna na medula espinhal fechou-se após o tratamento.

“Quando você não pode sentir quase metade do seu corpo, você é impotente, mas quando ele começa a voltar, é como se você tivesse nascido de novo”.

 

 

Artigos . Pós-câncer de mama

17/11/2014

Após um trauma tão grande quanto o diagnóstico de câncer e todo o sofrimento na qual a mulher passa durante o tratamento, o que se espera é poder logo voltar à rotina. Para isto um tipo de treinamentovem ajudando a retomar ao trabalho e aos momentos de lazer. A fisioterapia aquática é uma combinação de respiração diafragmática e exercícios de mobilidade articularutilizando a resistência da água.

Na água eliminamos boa parte da força da gravidade, facilitando assim os movimentos. E com a ajuda da pressão hidrostática pode-se prevenir e até eliminar o edema localizado. A água faz umamassagem natural em todos os gânglios linfáticos evitando o surgimento do linfedema. É umadrenagem linfática natural.

Podemos começar pela natação, pela hidroginástica ou AI-CHI que é um relaxamento ativo que tem como objetivo, mobilizar as articulações, alongar, aumentar e melhorar o equilíbrio e ainda a capacidade pulmonar. No inicio da natação deve-se deixar os membros livres só com a resistência da água. Com a evolução é possível incluir luvas de hidroginástica e depois os palmares para o fortalecimento da musculatura dos membros superiores, costas e peito.Já para as pernas pode-se utilizar qualquer um dos implementos usados nas aulas de natação. Com isso cria-se uma circulação colateral, fortalecer toda a musculatura lentamente, observando o tempo necessário para a cicatrização interna dos tecidos. Três precauções que devem ser tomadas: não aplicar injeção, não retirar sangue e não aferir a pressão arterial no braço do lado do seio operado. Durante a cirurgia são retirados todos os linfonodos ou parte deles para serem examinados. Qualquer lesão, irritação ou agressão ao tecido, o organismo reage para proteger a região, causando o linfedema, num estagio mais adiantado e difícil à regressão desta consequência.

Não devemos apressar a recuperação. Devendo ela ser lenta e progressiva. É indicado praticar atividades na água pelo menos duas vezes por semana para manter a mobilidade completa da articulação do ombro e evitar edemas.Com a evolução do quadro, o caminhar é muito benéfico, soltando bem os braços coordenados com as pernas e isto pode ser feito em conjunto com as atividades aquáticas.

 

O importante é saber que após este processo devemos buscar atividades prazerosas que tragam benefícios físicos e metais para encontrar novamente o equilíbrio corporal. 

Artigos . Peças Humanas

15/12/2014

Até onde as próteses poderão dar ao ser humano toda a mobilidade que as articulações naturais proporcionam? Hoje algumas áreas do corpo já comprovadamente têm resultados excepcionais com próteses articulares. Os locais mais conhecidos e comuns para a substituição são os quadris, ombros e joelhos, mas já existem próteses de várias articulações como cotovelo, dedos das mãos, tornozelo e a mais nova é no hálux, o dedo grande do pé.

A queilectomia (retirada da saliência, usada apenas nos estágios iniciais), operação de Keller (osteotomia e ressecção da lesão da falange) e artrodese (fusão da articulação) são consideradas como os tratamentos já consagrados e ainda apresentam resultados satisfatórios, mas são técnicas que não são imunes a insucessos ou complicações. Assim esta nova técnica é indicada nos casos de desgaste avançado no hálux e hallux rigidus, doença muito comum em atletas que sofrem com o excesso de impacto da corrida. Recentemente a medicina atingiu o avanço que torna possível substituir articulações com artrose ou desgaste por uma prótese.

Uma das técnicas hoje usada, a artrodese do dedão é considerada por muitos como um ótimo tratamento, porem estudos mostraram que esta é uma cirurgia que apresenta uma taxa maior que 20% de insucesso e alguns autores referem à alteração na biomecânica do antepé levando a sobrecarga nos outros dedos por transferência de pressão. Outra questão que se refere aos atletas é que embora consigam fazer as atividades diárias com pouca dor, deixaram de poder utilizar os calçados flexíveis e a principal reclamação das mulheres é a impossibilidade de utilizarem sapatos de salto alto. Já a artroplastia/prótese do hálux tem a vantagem de se poder obter alívio sintomático da dor mantendo a anatomia e uma transmissão de forças o mais próximo possível da normalidade já que consideramos ser uma substituição da articulação.

Com vários modelos de prótese do dedão o mercado brasileiro e internacional sugere o uso das de silicone, as parciais ou hemiprótese com componente falângico em titânio, outras com fixação/integração ósseo um sistema press-fit e até alguns modelos de cerâmica. Mas um dos maiores empecilhos ainda é o alto custo para o uso desta ferramenta, mas os benefícios certamente são compensatórios.

 

Artigos . 40% a mais, matam!

02/02/2015

Nunca é tarde para começar a cuidar da sua saúde. Mas quanto mais cedo melhor. Prevenção este é o termo que devemos ter em mente sempre que falamos em saúde. Falar com seu médico sobre doenças do coração e adotar medidas de controle de colesterol, como dieta, prática de exercício e se necessário em alguns casos medicação. Pode prevenir aos 30 anos o que virá acontecer mais tarde.

Um recente estudo mostrou que os malefícios causados pelo colesterol são cumulativos. A cada dez anos em que uma pessoa vive com a taxa desta gordura elevada, o risco dela sofrer uma doença do coração aumenta em quase 40%. Segundo a Associação Americana do Coração, que analisaram dados de adultos sem doenças cardiovasculares aos 55 anos e calcularam o tempo em que cada um deles tinha o colesterol elevado e o risco de sofrer um infarto ou um derrame. Entre os voluntários que viviam com o índice elevado de um a dez anos, a probabilidade era de 8,1%. Já os que tinham colesterol alto de onze a vinte anos, o risco subia para 16,5%. Dos participantes que não tinham problemas de colesterol, o risco era de apenas 4,4%. Chegando a conclusão que a cada década de exposição ao colesterol elevado, a probabilidade de sofrer uma doença cardiovascular crescia em 39%.

Então como controlá-lo? Algumas estratégias podem ser seguidas para isto. A ingestão de ômega-3 que é um ácido graxo com a função anti-inflamatória. Diminuindo assim o risco de placas de gordura, formadas pelo colesterol alto, inflamarem e causarem coágulos. Além disso, o nutriente reduz o colesterol ruim (LDL) e aumenta o bom (HDL). Evite alimentos ricos com gordura saturada, como carnes gordas, leite integral, queijo amarelo, presunto e manteiga. Praticando exercícios físicos o metabolismo e acelerado e consequentemente incentiva a ação das enzimas que elevam a concentração de colesterol bom no sangue. Indiretamente, o exercício reduz o nível de colesterol ruim e protege as artérias. Com uma ingestão maior de fibras durante as refeições a absorção de gordura é diminuída, essa, grande matéria-prima do colesterol. Um estudo mostrou que ingerir três quartos de xícara de chá por dia de leguminosas, pode diminuir em 5% as taxas de colesterol ruim.

 

Estratégias simples, mas possíveis de se colocar em pratica. E que certamente nos dará muitos anos de vida saudável. 

Artigos . Igualmente perigoso

23/03/2015

 

Dados recentes do IBGE sobre as doenças e suas causas na mulher, já mostram algumas diferenças em relação há 20 anos. Agora, temos como principal causa de morte na mulher o AVC (acidente vascular cerebral ou derrame cerebral), em segundo lugar o infarto do miocárdio e em terceiro o câncer ginecológico (de mama).

A proporção das doenças cardiovasculares entre os gêneros que era oito homens para duas mulheres já quase se igualou nos últimos 10 anos. Como exemplo incrível, apesar de mais mulheres visíveis nas academias, pelos dados do IBGE, mais homens do que mulheres fazem exercícios físicos regulares em nosso país. Devemos nos alertar sobre a falta de valorização das causas que provocam as doenças cardiovasculares e podem levar a sequelas incapacitantes após um AVC tanto quanto após um infarto do miocárdio. Pela anatomia feminina, o coração e vasos sanguíneos são biologicamente menores que os dos homens, e por isso as cirurgias de ponte de safena como também a angioplastia com “stents”, são mais difíceis na sua execução. Ainda existem as características psicológicas e comportamentais, a mulher moderna na maioria das vezes, assume um papel muito forte na família, e quanto mais avança na idade mais passa a cuidar de todos, incluindo o marido, filhos e até os avós dos dois lados. É são estas circunstancias somadas as tarefas profissionais de grande parte delas, misturados aos administrativos da sua própria casa que potencializam os estresses que podem levar a um quadro de doenças silenciosas que quando aparecem. A hipertensão arterial, por exemplo, é um perigo silente para a mulher, pois como na maioria das vezes não provoca sintomas, ela simplesmente não toma a medicação regularmente. O colesterol elevado independe do peso e ser magra não atesta que essa perigosa gordura sanguínea está em níveis normais.

 

Uma das vantagens da mulher em relação ao homem é que ela é muito mais regular em comparecer ao ginecologista periodicamente (ele é o seu verdadeiro clinico geral) do que o homem passar no clínico ou cardiologista, mesmo se estiver sentindo algum sintoma ainda que tênue no peito. Ainda a prevenção é o melhor remédio, faça avaliações especializadas anuais, mude seus hábitos de vida para alimentação saudável e importante mantenha exercícios físicos regulares. 

Artigos . Dor articular

11/05/2015

   Com fatores que podem associar a doenças específicas, tais como artrite ou gota, a inflamação no revestimento articular, ou sinóvia também pode ser resultado de traumatismo, sobrecarga de peso ou uso excessivo. Os sintomas de sinovite podem incluir vermelhidão, inchaço, calor e dor com o movimento articular. Em alguns casos dói até parado.

                Em alguns casos os pacientes podem se queixar de dor articular e rigidez matinal prolongada, mas no exame físico não se encontra os sinais. Nestes casos algumas técnicas, como a ressonância magnética, podem detectar o que chamamos de sinovite subclínica. O significado dos achados na ressonância magnética não são tão claros, mas é possível verificar um aumento de volume líquido, que por meio de contraste destaca a inflamação, confirmando o diagnóstico. Outros sinalizadores e medidas podem ser vistos no sangue, como por exemplo: taxa de sedimentação de eritrócitos VHS, e de proteína C-reativa, ou PCR. Quando elevadas essas taxas o paciente se torna suscetível a desenvolver lesões articulares. Mas existem alguns pacientes com artrite reumatóide ativa, que não têm as articulações tipicamente inchadas, mas podem ter questões de qualidade de vida com base em seus sintomas, e outras queixas necessitando de investigação e tratamento específico, incluindo metotrexato (é um antimetabólito usado no tratamento do câncer e outras doenças autoimunes). Essa droga age inibindo o metabolismo do ácido fólico (substância necessária para a formação de proteínas) e drogas biológicas.

A avaliação por um ortopedista irá ajudar a confirmar o diagnóstico, e também a excluir outras preocupações possíveis, tais como fraturas ou infecções. O médico pode puncionar uma amostra de fluido da articulação para analisar e procurar por células inflamatórias, ou pode solicitar RX ou outros exames de imagem avançada para avaliar melhor a articulação afetada.

O tratamento para a sinovite inclui repouso, gelo, imobilização e medicamentos orais não-esteróides ou antiinflamatórios esteróides (corticóides), podendo incluir até mesmo injeções sistêmicas ou locais de esteróides na articulação. A cirurgia pode ser indicada em casos de longa duração ou de não resposta ao tratamento conservador.

Artigos . Dor articular

11/05/2015

   Com fatores que podem associar a doenças específicas, tais como artrite ou gota, a inflamação no revestimento articular, ou sinóvia também pode ser resultado de traumatismo, sobrecarga de peso ou uso excessivo. Os sintomas de sinovite podem incluir vermelhidão, inchaço, calor e dor com o movimento articular. Em alguns casos dói até parado.

                Em alguns casos os pacientes podem se queixar de dor articular e rigidez matinal prolongada, mas no exame físico não se encontra os sinais. Nestes casos algumas técnicas, como a ressonância magnética, podem detectar o que chamamos de sinovite subclínica. O significado dos achados na ressonância magnética não são tão claros, mas é possível verificar um aumento de volume líquido, que por meio de contraste destaca a inflamação, confirmando o diagnóstico. Outros sinalizadores e medidas podem ser vistos no sangue, como por exemplo: taxa de sedimentação de eritrócitos VHS, e de proteína C-reativa, ou PCR. Quando elevadas essas taxas o paciente se torna suscetível a desenvolver lesões articulares. Mas existem alguns pacientes com artrite reumatóide ativa, que não têm as articulações tipicamente inchadas, mas podem ter questões de qualidade de vida com base em seus sintomas, e outras queixas necessitando de investigação e tratamento específico, incluindo metotrexato (é um antimetabólito usado no tratamento do câncer e outras doenças autoimunes). Essa droga age inibindo o metabolismo do ácido fólico (substância necessária para a formação de proteínas) e drogas biológicas.

A avaliação por um ortopedista irá ajudar a confirmar o diagnóstico, e também a excluir outras preocupações possíveis, tais como fraturas ou infecções. O médico pode puncionar uma amostra de fluido da articulação para analisar e procurar por células inflamatórias, ou pode solicitar RX ou outros exames de imagem avançada para avaliar melhor a articulação afetada.

O tratamento para a sinovite inclui repouso, gelo, imobilização e medicamentos orais não-esteróides ou antiinflamatórios esteróides (corticóides), podendo incluir até mesmo injeções sistêmicas ou locais de esteróides na articulação. A cirurgia pode ser indicada em casos de longa duração ou de não resposta ao tratamento conservador.

Artigos . Olhos abertos

17/08/2015

Conversando com um médico oftalmologista me foi mostrado ainda mais a importância dos cuidados com os olhos e os testes que podem mostrar doenças mais graves que se imagina.

Um exemplo é a descoberta feita por pesquisadores britânicos e se tornará um avanço na detecção de tumores cerebrais. A nova técnica utiliza uma luz infravermelha para registrar a oscilação ocular e medir a visão periférica com exatidão. Os cientistas afirmam que identificar problemas na visão periférica poderá auxiliar no diagnóstico precoce de lesões cerebrais, AVC, tumores e indicadores que podem levar o paciente a cegueira.

O que vemos não é determinado apenas pela qualidade da nossa visão, mas também pelo que realmente queremos ver. Nossas preferências, experiências e memórias pessoais desempenham um papel fundamental na percepção daquilo que nos rodeia. Aparentemente, cerca de 80% das nossas impressões são recebidas através dos olhos. Quando dormimos, processamos as imagens vistas durante o estado de vigília. Até mesmo embriões podem perceber a luz dentro do útero.

O uso constante de computadores, laptops, smartphones, tablets ou até mesmo a televisão tem como resultado que os nossos olhos permanecem focados na mesma distância por muito mais tempo que no passado. Isso pode causar fadiga ocular, além de dores de cabeça, nas costas e no pescoço ao fim do dia. Hoje, sabe-se que a incidência de miopia é maior em crianças que passam muito tempo em atividades de visão próxima como leitura, pintura ou jogos em tablets ou computadores.

 

Cuidados e prevenção são fundamentais, como: toda a criança deve ser examinada por um oftalmologista entre 6 e 12 meses de idade, bem como entre os 30 e 42 meses. Motoristas que ficam muito tempo na estrada devem fazer exames anuais para manter um controle da acuidade visual, campo de visão, visão colorida, bem como a sensibilidade à luz intensa. Para a maioria das pessoas, é importante fazer exames regulares, a partir dos 40 anos, para verificar a presença de glaucoma. Qualquer pessoa que passa muito tempo sob o sol sem proteção adequada corre o risco de sofrer queimaduras, disso todo mundo sabe. Há uma coisa que muitas pessoas não sabem, no entanto: a córnea também pode sofrer queimaduras, causando a chamada "cegueira de neve" ou "queimadura de flash". Portanto, é praticamente desnecessário dizer que devemos cuidar muito de nossos olhos.

Artigos . Baixe a glicose

26/10/2015

Dias atrás em uma pedalada de costume encontrei um senhor empurrando sua bicicleta com um ar de que algo estava errado, não me contive e indaguei se estava tudo bem. Sua resposta, - mais ou menos minha glicose baixou demais, estou hipoglicêmico. Portador de diabetes mellitus ao sair de casa ele mediu seu índice e apresentava 140mg/dl, logo se medicou por se encontrar acima do normal e foi pedalar. O que aconteceu? O exercício físico fez com que este índice de glicose no sangue logo fosse usado, causando a hipoglicemia.

Esta história nós devemos usar à nosso favor. Quem é portador desta patologia tem como aliado os exercícios físicos.  Exercitar-se regularmente, seja ele aeróbico, de resistência ou de alta intensidade, é capaz de dar uma “ajudinha” para que a insulina faça melhor seu trabalho, consequentemente baixando os níveis de glicose no sangue.  A insulina é um dos hormônios produzidos pelo pâncreas que, entre outras funções, é responsável por fazer com que a glicose, o combustível das nossas células, seja devidamente captada. No diabetes tipo 2, a insulina não funciona direito, pois há uma resistência a sua ação. O resultado disso é aumento dos níveis de glicose no sangue. O exercício físico regular é capaz de aumentar a expressão de um receptor nas células dos nossos músculos, responsável por “puxar” a glicose do sangue para dentro das células. Com mais deste receptor, a insulina, que antes funcionava mal, passa a funcionar melhor, e a glicose baixa no sangue.

-Consultar um endocrinologista é o primeiro passo. Caso haja necessidade, uma avaliação cardiológica será solicitada.

-Exercícios para paciente diabético o recomendado é que seja misto, tanto de resistência quanto aeróbico. 150 minutos divididos durante os dias da semana, com pelo menos 2 dias de exercício de resistência, são ideais.

- Todo paciente diabético deve cuidar muito bem dos seus pés.

-Alimente-se antes e após o exercício conforme a orientação do seu endocrinologista e nutricionista. A hidratação é fundamental.

- Se você usa medicamento capaz de causar hipoglicemia, sempre a teste antes de começar a atividade programada. Valores entre 100 e 250 mg/dL permitem atividade física moderada.

Os exercícios físicos são ainda capazes de reduzir o peso e a gordura abdominal, melhorar os níveis de colesterol e baixar a pressão arterial. 

Artigos . Suando em demasia

23/11/2015

Atingindo de 1% a 3% da população a hiperidrose, faz com que se sue exageradamente de maneira localizada e simétrica – duas mãos, dois pés, face – em condições não fisiológicas, como frio, ambientes climatizados, depois do banho, quando desencadeia um estado emocional mais estressado e também no calor.

Com a chegada do verão, muitas pessoas reclamam do suor. Suar a ponto de molhar a cama, transpirar pela cabeça e ter as mãos e pés sempre úmidos, quais destas situações caracteriza a hiperidrose? Nem todo suor excessivo é considerado hiperidrose. Existem critérios clínicos para diagnosticar a doença. Uma pessoa que sua excessivamente quando faz exercício físico ou se expõe ao calor tem uma reação fisiológica normal, pois o suor nada mais é que um termorregulador. Isto se faz necessário para resfriarmos o corpo e consequentemente não entrar-se em um estado febril.  Já a pessoa com hiperidrose sua exageradamente, de maneira localizada e simétrica como citado anteriormente. Esta situação para o portador é extremamente desconfortável e constrangedora, tendo uma conotação social muito forte, pois em muitos casos até a cor da roupa muda e o contato com as pessoas cria certo desconforto. Como o suor não tem cheiro. O que gera o mau odor são as bactérias e a glândula sebácea, principalmente nas regiões de dobras, como axila, genitais e pés, que estão quase sempre abafados e úmidos. E esta umidade do suor e o calor nessas regiões favorecem à maior proliferação de bactérias. O mau cheiro vem dos gases liberados por elas.

O tratamento para esta patologia depende da intensidade e desconforto do paciente. Podendo ser clínicos como: antitranspirantes, anticolinérgico, toxina botulínica chegando até aos tratamentos cirúrgicos.

O tecido da roupa influencia diretamente na respiração da pele. Por isso, a escolha da roupa é muito importante para os dias mais quentes. Prefira tecidos naturais como seda, algodão, linho, viscose, cetim. Evite roupas justas e priorize roupas claras, que absorvem menos calor. Um diagnóstico preciso feito por um especialista pode evitar muito dos desagradáveis e constrangedores momentos pelos quais passam os portadores de hiperidrose.

Artigos . Suando em demasia

30/11/2015

Atingindo de 1% a 3% da população a hiperidrose, faz com que se sue exageradamente de maneira localizada e simétrica – duas mãos, dois pés, face – em condições não fisiológicas, como frio, ambientes climatizados, depois do banho, quando desencadeia um estado emocional mais estressado e também no calor.

Com a chegada do verão, muitas pessoas reclamam do suor. Suar a ponto de molhar a cama, transpirar pela cabeça e ter as mãos e pés sempre úmidos, quais destas situações caracteriza a hiperidrose? Nem todo suor excessivo é considerado hiperidrose. Existem critérios clínicos para diagnosticar a doença. Uma pessoa que sua excessivamente quando faz exercício físico ou se expõe ao calor tem uma reação fisiológica normal, pois o suor nada mais é que um termorregulador. Isto se faz necessário para resfriarmos o corpo e consequentemente não entrar-se em um estado febril.  Já a pessoa com hiperidrose sua exageradamente, de maneira localizada e simétrica como citado anteriormente. Esta situação para o portador é extremamente desconfortável e constrangedora, tendo uma conotação social muito forte, pois em muitos casos até a cor da roupa muda e o contato com as pessoas cria certo desconforto. Como o suor não tem cheiro. O que gera o mau odor são as bactérias e a glândula sebácea, principalmente nas regiões de dobras, como axila, genitais e pés, que estão quase sempre abafados e úmidos. E esta umidade do suor e o calor nessas regiões favorecem à maior proliferação de bactérias. O mau cheiro vem dos gases liberados por elas.

O tratamento para esta patologia depende da intensidade e desconforto do paciente. Podendo ser clínicos como: antitranspirantes, anticolinérgico, toxina botulínica chegando até aos tratamentos cirúrgicos.

O tecido da roupa influencia diretamente na respiração da pele. Por isso, a escolha da roupa é muito importante para os dias mais quentes. Prefira tecidos naturais como seda, algodão, linho, viscose, cetim. Evite roupas justas e priorize roupas claras, que absorvem menos calor. Um diagnóstico preciso feito por um especialista pode evitar muito dos desagradáveis e constrangedores momentos pelos quais passam os portadores de hiperidrose.

Artigos . Sopro no coração

21/12/2015

Quando se fala em doenças cardíacas muitas dúvidas aparecem. Que os exercícios físicos são importante isso já é sabido, mas será que quem tem uma doença do coração também pode praticar algum tipo de exercício? Existe algum tipo de restrição?

Os profissionais da área da saúde são categóricos em afirmar que o sedentarismo não faz bem a ninguém. Então afirmam também que somente pacientes com problemas muito graves no coração, acabam tendo contra-indicação a exercícios. Mesmo assim, essa recomendação pode ser temporária. Para que um paciente seja excluído totalmente de fazer exercícios físicos ele realmente teve um infarto grave ou tem um coração muito fraco. Mas estas limitações não atingem mais do que 10% dos pacientes.

         Como de costume antes de começar a praticar qualquer tipo de exercícios físicos é importantíssimo fazer uma avaliação cardiológica, principalmente se a pessoa tiver algum histórico familiar de desmaios ou doenças do coração. Se houve desmaio ou tontura durante a pratica, é preciso interromper o exercício imediatamente. Só volte a fazer a atividade quando descobrir a causa da síncope. O desmaio é a perda transitória da consciência e da postura por queda da função cerebral.  Sintoma comum, que pode ser causado por queda de pressão, falta de alimentação ou problema cardíaco. Por isso deve ser investigado, principalmente para descartar as causas cardíacas. Mas o histórico de desmaio não proíbe a pratica de atividade física.  Quando se identifica um ruído no coração, esse barulho pode indicar algum problema no funcionamento dele, por isso merece muita atenção. E isto pode caracterizar sopro cardíaco, que é produzido pelo fluxo de sangue quando passa pelas estruturas do coração. O sintoma ocorre pelo crescimento exagerado e fraqueza do coração, falta de ar, palpitações e inchaço das pernas. Ele pode ser congênito, adquirido, funcional ou por causa do estreitamento da válvula aórtica no idoso.

 

No caso específico do sopro a atividade física não ajuda. Quem é portador desta patologia deve fazer exercícios supervisionados para não acelerar a piora das válvulas e nem inchar o coração. Se constatado que houve piora com a atividade física, ela deve ser interrompida a pronto.

Artigos . Sopro no coração

21/12/2015

Quando se fala em doenças cardíacas muitas dúvidas aparecem. Que os exercícios físicos são importante isso já é sabido, mas será que quem tem uma doença do coração também pode praticar algum tipo de exercício? Existe algum tipo de restrição?

Os profissionais da área da saúde são categóricos em afirmar que o sedentarismo não faz bem a ninguém. Então afirmam também que somente pacientes com problemas muito graves no coração, acabam tendo contra-indicação a exercícios. Mesmo assim, essa recomendação pode ser temporária. Para que um paciente seja excluído totalmente de fazer exercícios físicos ele realmente teve um infarto grave ou tem um coração muito fraco. Mas estas limitações não atingem mais do que 10% dos pacientes.

         Como de costume antes de começar a praticar qualquer tipo de exercícios físicos é importantíssimo fazer uma avaliação cardiológica, principalmente se a pessoa tiver algum histórico familiar de desmaios ou doenças do coração. Se houve desmaio ou tontura durante a pratica, é preciso interromper o exercício imediatamente. Só volte a fazer a atividade quando descobrir a causa da síncope. O desmaio é a perda transitória da consciência e da postura por queda da função cerebral.  Sintoma comum, que pode ser causado por queda de pressão, falta de alimentação ou problema cardíaco. Por isso deve ser investigado, principalmente para descartar as causas cardíacas. Mas o histórico de desmaio não proíbe a pratica de atividade física.  Quando se identifica um ruído no coração, esse barulho pode indicar algum problema no funcionamento dele, por isso merece muita atenção. E isto pode caracterizar sopro cardíaco, que é produzido pelo fluxo de sangue quando passa pelas estruturas do coração. O sintoma ocorre pelo crescimento exagerado e fraqueza do coração, falta de ar, palpitações e inchaço das pernas. Ele pode ser congênito, adquirido, funcional ou por causa do estreitamento da válvula aórtica no idoso.

 

No caso específico do sopro a atividade física não ajuda. Quem é portador desta patologia deve fazer exercícios supervisionados para não acelerar a piora das válvulas e nem inchar o coração. Se constatado que houve piora com a atividade física, ela deve ser interrompida a pronto.

Artigos . Herança desagradável

25/01/2016

Condição de saúde que se caracteriza pela presença de taxas elevadas de colesterol no sangue, bem acima dos 200 mg/decilitro. A hipercolesterolemia familiar é uma doença congênita, sem cura, na qual existe um defeito no gene responsável pelo receptor de LDL (colesterol ruim) localizadas no fígado. Elas são encarregadas de se ligar ao LDL para retirá-lo da corrente sanguínea e na hipercolesterolemia familiar a função desses receptores estão prejudicadas. Como resultado, o nível de LDL no sangue fica muito aumentado. O que afeta um quinto da população brasileira, especialmente as pessoas com mais de 45 anos.

       Como o LDL é de baixa densidade, ele acaba por permitir que o colesterol se deposite nas artérias – por isso é conhecido como colesterol ruim. Esse acúmulo forma perigosas placas de gordura que, com o tempo, podem ser precursoras de uma obstrução do fluxo sanguíneo nas artérias do coração e do cérebro, dando origem, respectivamente, ao infarto do miocárdio e ao acidente vascular cerebral, conhecido popularmente como “derrame”. Embora tenha funções orgânicas essenciais, como a produção de hormônios, o colesterol representa um dos fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, quando em excesso. Acredita-se que entre 250 e 350 mil brasileiros sofram com a doença. Como se trata de um mal silencioso, ele já é responsável por 5% a 10% dos casos de eventos cardiovasculares em pessoas abaixo de 50 anos.

       O indivíduo diagnosticado com esta doença deve logo procurar um especialista, que além da prescrição de medicamentos, deve adotar novos hábitos alimentares e incluir exercícios físicos na rotina de vida. A suplementação à base de fitoesteróis é outra possível indicação nesses casos, complementando o tratamento. Eles são considerados um alimento funcional capaz de auxiliar na redução de 8% a 15% do nível de colesterol ruim (LDL) no sangue, a partir da terceira semana de uso, ajudando na manutenção da saúde cardiovascular. 

Heranca desagradavel.docx

Artigos . CÂNCER

11/04/2016

Na sexta-feira dia 08 foi comemorado o dia mundial do combate a uma doença que mata mais de 8,2 milhões de pessoas por ano, sendo uma das principais causas de morte em todo o mundo, O CÂNCER. Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de um terço das mortes causadas pelo câncer são relacionadas aos cinco principais riscos comportamentais e alimentares: obesidade, baixa ingestão de frutas e legumes, falta de atividade física, tabagismo e consumo de álcool.

O uso do tabaco é o fator de risco mais importante para o câncer, causando cerca de 20% das mortes globais pela doença e aproximadamente 70% dos óbitos relacionados ao câncer de pulmão. Infecções virais como o HPV e as hepatites B e C também são responsáveis por outros 20% das mortes em países de baixa e média renda. A estimativa da OMS é que os casos anuais de câncer devam subir dos 14 milhões registrados em 2012, para 22 milhões nas próximas duas décadas. Um estudo realizado na Europa, com mais de 400 mil voluntários demonstrou que a prática de exercícios físicos reduziu em 22% o aparecimento de diversos tipos de câncer. Em outro experimento realizado com mulheres fumantes e praticantes de exercícios físicos chegou a conclusão que, aquelas que continuavam fumando e praticando exercícios, tiveram 23% menos chances de aparecimento de câncer no pulmão em relação às fumantes sedentárias. Já as que fumaram por anos e deixaram o vício reduziram em 37% a probabilidade de aparecimento desse tipo de doença.

Uma super revisão científica publicada no periódico British Journal of Sports Medicine, veio a corroborar ainda mais o valor do exercício físico para a prevenção do câncer. Nele foi observado que apenas 150 minutos de treinos moderados por semana, o mínimo recomendado pela OMS reduz a mortalidade por diferentes variedades desse problema em 14%, o que não é pouco. O número é explicado de um lado pelo papel do exercício na diminuição da incidência da doença e, do outro, por seu potencial em controlá-la quando eventualmente aparece. Tornando-se assim uma relevante forma de prevenção e ajuda no tratamento.

Artigos . Andropausa

18/04/2016

Na menopausa, de onde se faz a analogia com Andropausa ou climatério masculino, ocorre invariavelmente a falência dos ovários e o fim do ciclo reprodutivo da mulher. No homem, com o avançar da idade, diminui a produção de vários hormônios, principalmente dos chamados esteróides sexuais. Nessa fase, em 15% dos casos surgem sintomas como perda de interesse sexual, problemas de ereção, falta de concentração, queda de pêlos, irritabilidade, insônia, aumento de peso entre outros.

Quando é a insônia que mais importuna o paciente, deve ser tratada. Quando são os distúrbios de ereção, é isso que deve receber prioridade no tratamento, ou a depressão, o ganho de peso e assim por diante. No homem, a chegada do envelhecimento físico pode vir junto com a falta desejo sexual esta última muito ligada ao fator psicológico e, em alguns casos, à diminuição da produção de testosterona, o hormônio sexual masculino. Mas, por maior que seja a queda da testosterona no homem, ela não se compara à queda dos hormônios femininos na mulher na menopausa. No homem os sintomas se instalam lenta e progressivamente, diferentemente da menopausa na mulher. Esta fase não é igual para todos os homens, mas todos experimentam alguma diferença no modo de sentir a vida à medida que a velhice vai chegando. Embora a idade seja a maior causa, os homens mais emotivos, menos autoconfiantes e seguros de si estão mais predispostos aos efeitos da apatia.  

O medo de enfrentar desafios, seja na vida particular ou profissional, é um dos sintomas mais comum. Depois dos 40 anos, a testosterona começa a diminuir cerca de 1% ao ano, entretanto, quando essa queda é mais acentuada, o fenômeno já é a Andropausa. Como a produção do hormônio testosterona costuma diminuir, de forma discreta, quando os homens ultrapassam os 50 anos. Isso é fisiológico e natural.  Ao contrário da Menopausa, não traz o fim da fertilidade para o homem, apenas uma redução dela devido à menor produção de espermatozóides.

Artigos . Ambiente contaminado

25/04/2016

O atual cenário da saúde no Brasil acende o alerta em que os cuidados devam ser redobrados. H1N1, ZICA, Chikungunya e dengue, são as patologias em que o foco está mais direcionado. Mas para os frequentadores de academias outro fator preocupação deve ser colocado na lista. Um inimigo invisível, as bactérias. Elas estão por toda a parte. E não é diferente nos centros de treinamento.

Esse foi o raciocínio que levou os pesquisadores da Fit Rated, um grupo que testa e avalia dezenas de produtos de fitness, a investigar quão contaminado é o ambiente das academias. E as notícias não são nada boas. Em parceria com o laboratório norte americano Emlab P&K, especializado em análise de bactérias e qualidade do ar. Foi percorrida 3 redes de academias distintas para coletar amostras em 27 diferentes equipamentos. O foco nos mais usados: bicicleta ergométrica, halter e esteira ergométrica. Todos os aparelhos, sem exceção, testaram positivo para espécies classificadas como cocos gram-positivas (como a streptococcus, que pode causar dezenas de infeções e até pneumonia), bastonetes gram-negativas (como a salmonella, causadora da febre tifóide) e bastonetes gram-positivos (como a Clostridium botulinum, que pode causar botulismo).

Conforme o relatório divulgado o halter, por exemplo, possui 362 vezes mais germes que uma privada. Já a esteira (considerando os botões do painel e os apoios) tem 74 vezes mais bactérias que a torneira de um banheiro público, enquanto a bicicleta ergométrica fica 39 vezes mais infectada que uma bandeja de comida da praça de alimentação do shopping.

A recomendação segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) é desinfetar os acessórios sempre que for usá-los. As melhores academias disponibilizam álcool em gel ou desinfetante em suas instalações. O uso de toalha pessoal e uma folha de papel com álcool para limpar os halteres antes de tudo é fundamental. Evite andar descalço, tocar os olhos e boca, lave as mãos e a roupa de treino sempre. Higiene é a base de todo o tratamento de saúde.

Artigos . Pandemia mundial

02/05/2016

O sedentarismo ou a inatividade física já é tão grave que pode ser considerada uma pandemia mundial, de acordo com a revista científica The Lancet. Segundo estudo, divulgado em abril deste ano pela mesma fonte, sobre a prática física em relação aos ambientes urbanos em 14 cidades do mundo, a inatividade física é responsável por mais de cinco milhões de mortes por ano através do efeito de outras doenças. De acordo com outra pesquisa, também divulgada pela revista científica, em 2012, a falta da prática física causa tantas mortes quanto o tabagismo. 5,3 milhões de mortes no mundo é o efeito causado pelo mau hábito que foi comparado ao tabagismo, pelo fato de também matar cerca de cinco milhões de pessoas todos os anos. No Brasil, esta pandemia é a causa de 8,2% dos casos de doenças cardíacas, 10,1% dos casos de diabetes tipo 2, 13,4% dos casos de câncer de mama e 14,6% dos casos de câncer de cólon. Casos esses que poderiam ser evitados se a população fosse fisicamente mais ativa.

A vida sedentária é caracterizada pela ausência de atividade física, que pode causar regressão funcional desde a perda de flexibilidade articular, comprometimento dos órgãos, hipotrofia muscular e riscos de desenvolver doenças como hipertensão, diabetes, obesidade, colesterol e infarto do miocárdio. Definida como a doença do século e está associada a comportamentos cotidianos decorrentes do conforto da vida moderna. Muitos acabam se tornando sedentário pela falta de tempo, comodismo, preguiça, dificuldade de deslocamento, estresse e o fato de não gostar do ambiente de uma academia ou atividades ao ar livre. O comprometimento excessivo com o trabalho e a família, também podem ser motivos pelos quais as pessoas continuam a não praticar atividades físicas. E há ainda relatos de pessoas que não vão à academia devido a vergonha de seu próprio corpo.

Outra questão que influencia e ajuda o sedentarismo são os maus hábitos alimentares. Uma rotina diária cada vez mais corrida, fazendo com que sejam ingeridos alimentos prontos, industrializados e de fast foods, fazem com que estas pessoas não percebendo que estão adoecendo pela boca. 

Artigos . Incontinência

09/05/2016

Uma patologia que acomete muito mais a população feminina, porque a doença é resultado, entre outros fatores, de flacidez muscular na região perineal, que é responsável por sustentar os órgãos abdominais, garantir mais prazer no sexo e diminuir dores da contração. A gravidez, bem como o aumento de peso e o estilo de vida sedentário também são outros fatores. A menopausa acarreta uma série de alterações no corpo feminino, entre as quais uma possível falta de coordenação da bexiga e suscetibilidade a infecções urinárias. Os atletas também podem apresentar tal problema, pois a grande carga de exercícios desenvolve grande pressão abdominal, sendo esta maior que a pressão perineal.

Como a incontinência urinária é a “perda involuntária de urina” em situações corriqueiras como tossir, espirrar ou quando não dá tempo de chegar ao banheiro, tornando-se assim extremamente desagradáveis e até constrangedoras. Com estas descrições, mesmo sendo muito comuns, as pessoas ficam inibidas em buscar ajuda. Porém estes poderiam se beneficiar e muito com os tratamentos disponíveis, Pesquisas recentes indicam a eficácia dos tratamentos fisioterapêuticos. A melhora da qualidade de vida desses pacientes é consideravelmente muito maior inclusive no convívio social, como os pacientes que apresentam incontinência urinária passam por situações como o medo de chegar tarde ao banheiro, incômodo por estar molhado, medo de estar malcheiroso e falta de confiança em si, o que podem levá-los a desvalorização pessoal e depressão. Já no homem, a incontinência urinária pode aparecer em decorrência de um procedimento para o tratamento do câncer de próstata, por exemplo.

A fisioterapeuta e especialista em incontinência urinaria, Carla Arnhold, que atua diretamente nesta área e com vasta experiência, sugere que em alguns momentos sejam tomadas precauções que possam melhorar o quadro ou até zerá-lo em relação à incontinência urinaria, tais como: Período gestacional e pós parto, disfunções sexuais, melhora da sexualidade, prolapsos. E como tratamentos, Arnhold sugere: terapia manual, cinesioterapia (exercícios), reeducação miccional, eletroestimulação, eletromiografia. (Ca.arnhold.gmail.com)

Artigos . A pele que habito

16/05/2016

Em uma analogia ao filme do genial diretor espanhol Pedro Almodóvar, em que se esperava muito do filme com o mesmo título desta coluna, pesquisadores de duas instituições renomadas no mundo da ciência anunciaram uma descoberta revolucionária. Primeiro como cosmético e no futuro como medicamento. O que se espera é que seja realmente o que se descreve.

Os testes iniciais mostraram que tal polímero conseguiu manter a hidratação e elasticidade da pele, além de aguentar suor e chuva. A idéia inicial da película elástica e invisível é que pode ser aplicada à pele para diminuir a aparência de rugas e pele flácida abaixo dos olhos e olheiras.

Os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) afirmam também que essa “segunda pele” poderá ser usada no futuro como protetor solar ou como uma forma de ministrar medicamentos a paciente através derme. O polímero polissiloxano foi sintetizado usando moléculas de silicone e oxigênio. O composto foi criado para imitar a pele humana e fornecer uma camada protetora e permeável. A equipe de cientistas americanos testou o protótipo em alguns voluntários aplicando a fórmula na região abaixo dos olhos, nos antebraços e pernas. A película temporária mantém a hidratação da pele e ajuda a aumentar sua elasticidade. Em um dos testes, a pele abaixo dos olhos foi beliscada por um tempo determinado e depois solta, para verificar-se o quanto tempo ela demorava em voltar a sua posição normal. A parte da pele que foi coberta com o polímero ficou mais elástica do que a pele sem a película. E, a olho nu, a parte com a película parecia mais macia, firme e menos enrugada. Com o envelhecimento, a pele perde firmeza e elasticidade e, com isso, o desempenho nesse tipo de teste fica pior. Segundo Tamara Griffith, da Associação Britânica de Dermatologistas, afirma que, apesar dos resultados promissores, ainda é preciso fazer mais testes. 

Artigos . Com o peso da água

30/05/2016

A água não é só benéfica para nosso interior, ela é um componente importantíssimo para treinamento e tratamentos, como por exemplo, em pessoas com osteopenia e que necessitam de ganho de massa óssea. Exercícios na água atenuam a ação da gravidade, diminuindo o impacto sobre as articulações, na água, nós temos o empuxo que alivia o peso sobre as articulações, mas oferece grande resistência quando trabalhamos contra ele. As propriedades físicas da água, como a pressão hidrostática e a tensão superficial, têm grande resistência ao deslocamento e à execução dos exercícios. Quando você caminha ou corre, não sente a resistência do ar e nem a ação da gravidade, mas na piscina sentimos o peso da água.

O importante é saber trabalhar utilizando suas propriedades, a favor dos objetivos propostos. Quanto menor for a profundidade da água maior a ação da gravidade. Para quem quer ganhar massa óssea, é necessário trabalhar em uma profundidade menor, com mais saltos, utilizando implementos como step, jump (cama elástica), halteres, luvas, etc. E para quem quer proteger as articulações sem dor, como portadores de artrose, ou outras patologias ósseas, usa-se uma maior profundidade da piscina, sem saltos, utilizando-se de técnicas com a resistência da mão do fisioterapeuta, por exemplo. A complexidade do combate à perda óssea é muito mais abrangente, sendo necessário o acompanhamento de um endocrinologista, uma dieta específica e sol são fundamentais.

Com atletas podemos usar os atributos físicos da água, com variações de intensidade e ritmo, implementos variados e diferentes tipos de alavancas. Já com pré e pós-cirurgias ortopédicas se usa intensidades progressivas, adequadas às diferenças individuais e de cada caso. Há o trabalho de prevenção de quedas com utilização de obstáculos, de relaxamento pós-corrida, enfim, a água flexibiliza e oferece uma infinidade de soluções, trabalhos e tratamentos e pode ser utilizada para uma variada gama de patologias. 

Artigos . Perdendo os cabelos

06/06/2016

Pânico! Para muitas pessoas esta é a palavra que vem logo em mente para quem vê no travesseiro ou no box do Banheiro cabelos, muitos cabelos. Mas o termo para isso é Alopecia, que quer dizer, queda de cabelos e/ou pêlos do corpo deixando uma área do corpo pelada ou ele todo. Existem alguns tipos com causas conhecidas e outras cujas causas são inespecíficas.

O tipo mais conhecido é a Alopecia Hereditária ou calvície masculina. Soma-se o fator congênito a presença de andrógenos (hormônios); começa gradual e tem progressão pelo recuo da linha do cabelo na região fronto-temporal, sem haver perda dos pêlos do corpo, mas pode ocorrer também nas mulheres, causando uma perda difusa dos cabelos deixando-os mais ralos, expondo o couro cabeludo. Em outro caso, o quimioterápico, que é a perda dos cabelos devido à quimioterapia e/ou radioterapia para o tratamento do câncer, mas tão logo o tratamento é finalizado há o crescimento dos cabelos novamente.

A Alopecia Areata pode ser causada também por distúrbios hormonais, como: hipotireoidismo ou hipertireoidismo e ainda nutricionais, e logo corrigidos volta-se o crescimento norma do pelo. Pode ainda ser causado por tração excessiva dos cabelos (tranças), processo de envelhecimento, tinturas em excesso, alisamentos, óleos, infecção do couro cabeludo por fungos, nevus (leões na pele) ou cicatrizes cirúrgicas.

        A alopecia Totalis atinge os indivíduos independentes da faixa etária, sexo ou condição socioeconômica e que gozam de boa saúde, o que não os impede de ter uma vida normal, pois se tem perda dos pêlos do corpo e localizadas ou não do cabelo. Neste caso pode haver a repilação naturalmente, com ou sem tratamento e cujo tempo para tal não é específico. Já Alopecia Universalis é a queda de todos os pêlos do corpo e dos cabelos, não havendo a repilação.  Em todos os casos o maior problema são os transtornos emocionais, pois os pacientes perdem a sua identidade, sem contar que não há aceitação da doença e seus próprios preconceitos se toram seu maior mal.

Artigos . Endometriose

13/06/2016

Uma patologia que acomete muitas mulheres e é mais comum que se imagina, mas pode ser prevenida com exercícios físicos. Segundo um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mulheres que diziam ser ativas desde jovens tinham menos tendência para desenvolver a endometriose. Todo mês, os ovários produzem hormônios que estimulam as células da mucosa do útero (endométrio) a se multiplicarem e estarem preparadas para receber um óvulo fertilizado. A mucosa aumenta de tamanho e fica mais espessa. Se essas células (chamadas de células endometriais) crescerem fora do útero, geralmente, nos ovários, intestino, bexiga, trompas e o peritônio, membrana que protege a parede abdominal surge a endometriose. Ao contrário das células normalmente encontradas dentro do útero que são liberadas durante a menstruação, as células fora do útero permanecem no lugar. Havendo sangramentos esporádicos, mas se curam e são estimuladas novamente durante o ciclo seguinte.

Embora ela seja diagnosticada entre 25 e 35 anos, a doença provavelmente começa quando a menstruação regular inicia. O primeiro sintoma da endometriose é a dor pélvica, quase sempre associada ao ciclo menstrual. Outros sintomas frequentes da doença são: Dismenorreia (dores no período menstrual), dor no baixo abdômen ou cólicas que podem ocorrer por uma semana ou duas antes da menstruação de forma cíclica, dores nas relações sexuais com penetração, dores ao urinar e evacuar, sangramento excessivo durante os períodos menstruais, infertilidade, fadiga, diarréia e náuseas.

      Foi comprovado pela pesquisa que, com a prática regular de exercícios físicos aeróbicos o corpo libera endorfinas com efeito vasodilatador e analgésico que afastam o stress (que agrava os sintomas de endometriose) e ainda ajuda a reduzir os níveis de estrogênio, hormônio feminino que serve de combustível para o endométrio se desenvolver e por isso desacelera o crescimento do tecido ‘intruso’, ou que não está no local correto.

Artigos . Hipertensão no frio

27/06/2016

Um fator de risco cardiovascular que merece toda a atenção sempre, mas durante o inverno devemos estar mais atentos ainda. Porque o frio é um fator de risco que aumenta a pressão. No inverno, os índices dessa doença aumentam em 30%, principalmente quando a temperatura está abaixo dos 14 graus, coisa que está bastante frequente nos últimos dias.

A relação entre o coração e as baixas temperaturas ocorre porque, quando os receptores nervosos da pele sentem o frio, estimulam a liberação de catecolaminas (substâncias que, dentre outros efeitos, contraem os vasos sanguíneos). Com isso, a pressão sanguínea aumenta, podendo levar a ruptura de placas de gordura no interior das artérias. Para quem convive com fatores de risco, como colesterol elevado, tabagismo, diabetes e obesidade, se devem evitar a variação súbita de temperatura, pois o choque térmico pode provocar, além do infarto, angina, arritmia e até acidente vascular cerebral (AVC). O frio não é um fator prejudicial apenas para aqueles que já têm alguma doença cardíaca, mas também pode atingir aqueles que não têm ou que ainda não sabem que possuem alguma enfermidade cardíaca. Outro detalhe é a dieta, que durante o inverno costuma ser mais rica em sódio, para o qual é importante evitar adicionar sal de mesa às refeições, utilizar substitutos e conhecer quais alimentos contêm sódio oculto, é fundamental. Por outro lado, durante o inverno a atividade física costuma ser reduzida, e com esta redução, podemos aumentar o peso corporal, principalmente com tecido gorduroso. Sendo o sobrepeso importantíssimo também como um fator de risco para a hipertensão arterial.

Não somente os hipertensos são passivos a doenças ocasionadas pelo frio, os diabéticos também são acometidos por doenças nas baixas temperaturas. No caso dos diabéticos, os problemas atingem mais a circulação dos membros inferiores, que chega a ficar obstruída por causa do frio.  Podendo as pernas apresentar cor arrochada devido a esta obstrução da circulação do sangue. Em alguns casos mais graves levando a até a gangrena.

Como forma de prevenção é sempre importante se manter hidratado quando o frio aumenta. Dando preferência a líquidos mais quentes para manter a temperatura corporal.

Artigos . Ameaça a medicina

26/09/2016

As superbactérias são responsáveis por 700 mil mortes por ano e mais de 200 mil recém nascidos morreram por ano devido a infecções resistentes aos antibióticos segundo um relatório apresentando na última assembléia geral da Organização das Nações Unidas (ONU). E isso ocorre não somente em países em desenvolvimento com também em países desenvolvidos.  Um apelo desta instituição pede que os pacientes façam uso correto, assim como os médicos só prescrevam estas medicações tendo certeza do diagnóstico e que a agricultura faça uso de forma responsável. Pois os procedimentos são hoje uma ameaça a medicina moderna.

Mas um estudo britânico faz um alerta ainda mais preocupante: mais de dez milhões de pessoas devem morrer anualmente infectadas por superbactérias até 2050. Tal estudo cobra coragem para investir de novo.  Extrair veneno é parte da pesquisa de novos antibióticos. O relatório britânico diz que desde os anos 80, as poucas novidades que são apresentadas são apenas variações do que já existia. Nesse contexto, a meta sugerida parece audaciosa: 15 novos antibióticos nos próximos 10 anos. Esses remédios seriam reservados para casos extremos. E já há bactérias que se defendem da poderosa Colistina (International Journal of Infectious Diseases). Esse antibiótico conhecido como um último recurso agora aparece à venda na internet. O que acontece quando alguém para com o antibiótico só porque voltou a se sentir bem, não significa vitória a sobre a infecção. Algumas bactérias podem ter sobrevivido.

Aí é só uma questão de tempo até se multiplicarem novamente e a nova infecção é ainda mais resistente a medicação. O coordenador do relatório Jim O'Neill compactua com as diretrizes da ONU e propõe reduzir o uso de antibióticos na agricultura, melhorar o acesso a água potável, saneamento e hospitais mais limpos, para  assim prevenir infecções mais graves.  Em 1945, o farmacologista escocês Alexander Fleming recebeu o Prêmio Nobel de Medicina pela descoberta da penicilina. Em seu discurso, ele próprio alertou que o uso inadequado da “novidade” iria torná-la ineficaz. Dois anos depois, surgiria o primeiro caso de resistência à penicilina.

 

Artigos . Ar doente

23/01/2017

De acordo com um recente estudo, praticar atividade física em horários com elevado nível de poluição pode desencadear sérios problemas pulmonares e também problemas cardíacos.

Quem tem o hábito de correr ou pedalar na ida e na volta do trabalho, ou seja, nos horários de pico dos congestionamentos, pode estar fazendo mais mal do que bem à saúde. É o que indica um novo estudo Belga. Segundo os pesquisadores, apesar de todos os benefícios gerados pela atividade física, o elevado nível de poluição pode desencadear sérios problemas pulmonares. A pesquisa foi feita com mais de 16.000 pessoas que foram internadas em um hospital na Bélgica entre 2009 e 2013 e que foram submetidas a um ecocardiograma para mostrar o fluxo sanguíneo do coração. Após comparar os resultados com os registros de poluição atmosférica, constatou-se que os pacientes tinham uma pior circulação nos dias em que a poluição estava mais elevada.

Em um segundo experimento, 10 voluntários saudáveis do sexo masculino foram expostos à poluição em uma câmara controlada e tiveram suas funções pulmonares testadas em repouso e após tomarem uma droga que simula a função cardíaca durante o exercício. Embora não tenha havido impacto durante o repouso, a circulação piorou quando o fármaco foi administrado. “Isso sugere que a poluição é mais prejudicial à circulação pulmonar durante o exercício”, explica Jean-Francois Argacha, cardiologista no Hospital Universitário de Bruxelas. De acordo com os pesquisadores, a poluição faz com que os vasos sanguíneos nos pulmões se estreitem, impedindo que o oxigênio circule efetivamente pelo corpo. Isso danifica os pulmões e, com o tempo, pode levar à insuficiência cardíaca.

Para evitar esses danos à saúde, o conselho é procurar fazer atividade física em áreas verdes, como parques, e evitar regiões de grande aglomeração de veículos, principalmente nos horários de maior congestionamento, que são das 7h às 9h e das 17h às 20h. 

Artigos . Ar que mata

20/02/2017

Um estudo inédito mostra que a poluição do ar matou mais de quatro milhões de pessoas em 2015. A maioria delas foi registrada na China e na Índia. O estudo foi conduzido pelo Institute for Health Metrics and Evaluation, de Washington, e envolveu mais de dois mil pesquisadores. Eles usaram novas metodologias e afirmam que o número de mortes relacionados à poluição é muito maior do que o que a Organização Mundial de Saúde tinha estimado.

A China e a Índia estão no topo da lista, com mais de um milhão de mortes atribuídas à poluição só em 2015. O Brasil aparece em 10º lugar, com mais de 52 mil mortes. Os cientistas explicam que a poluição mata por causa das micropartículas que ficam no ar e entram no corpo pela respiração. Pessoas que ficam expostas por um longo período de tempo a essas partículas poluentes correm risco de sofrer doenças cardíacas, AVC, câncer de pulmão e outras doenças respiratórias. O carvão que é usado pela indústria, para a geração de energia e para o aquecimento das casas e o grande vilão nestes casos. O estudo afirma que para diminuir essas mortes, os governos precisam diminuir as fontes de poluição.

         As mortes prematuras causadas pela poluição atmosférica continuarão a aumentar até 2040, a menos que o mundo altere a maneira como usa e produz energia, alertou a Agência Internacional de Energia (AIE) em um documento divulgado recentemente. Poluentes danosos como os materiais particulados que podem conter ácidos, metais, partículas de solo e de poeira óxidos sulfúricos e óxidos de nitrogênio são responsáveis pelos efeitos mais disseminados da poluição atmosférica. Os minúsculos materiais particulados causam câncer de pulmão e é comprovado que a poluição é a causa de 16% das mortes por esta patologia. Embora exista a previsão de que as emissões globais irão diminuir de forma geral até 2040, as políticas energéticas atuais e em planejamento não bastarão para melhorar a qualidade do ar, pois provavelmente irão aumentar na Índia, no sudeste da Ásia e na África, já que nestas regiões o crescimento da demanda de energia se sobrepõe aos esforços para melhorar a qualidade do ar. disse o relatório.


Artigos . Água que mata

27/02/2017

Um estudo inédito, feito nas 100 maiores cidades do país, revela quais são os dez melhores e os dez piores municípios em serviços de saneamento básico. Ao todo, 34 milhões de brasileiros ainda vivem sem água tratada, com isso metade da população não tem acesso a rede de esgoto.

om apenas 50,3 % de brasileiros tendo este serviço, o que mais prolifera são os mosquitos e com eles também doenças como: Zica, dengue e chikungunya. Com esta pesquisa realizada pelo Instituto Trata Brasil, chegou-se a conclusão que as cem maiores cidades do Brasil tem saneamento básico precário em sua maioria ficam na região norte. Na amazônia. região do pais com a maior quantidade de água doce do mundo. Já no Rio Grande do Sul a cidade de Gravataí e a pior ranqueada. Coloca-se na nonagésima quarta colocação. E sendo a cidade de Franca no interior de São Paulo a melhor do país, com Ananindeua a pior entre todas. Com mais de meio milhão de habitantes, apenas 29% da população tem água tratada. Nesta cidade a maioria dos habitantes ainda fazem uso de poços artesianos e logo ao lado passam valas abertas por onde passam esgotos não tratados que se misturam ainda mais na estação das cheias. Já o governo da cidade de Franca pensando no futuro se prepara a 15 anos para o crescimento da cidade, construindo uma nova estação de tratamento que manterá os 100% de água tratada para a população. O pior disto tudo é que Ananindeua gasta anualmente em torno de 20 milhões de reais com doenças como: Diarréia, Dengue  e Chikungunya e mesmo assim os casos só aumentam. Ou seja 47 vezes mais que Franca que investe apenas 420 mil.

Segundo ainda o Instituto Trata Brasil município, estado e união, investem menos da metade do que deveriam e com isso a população não se desenvolve fisicamente e não fica apta ao trabalho e suscetível ainda a doenças comuns que poderiam ser evitadas. Outro dado é que em cinco anos, de 2011 a 2015 a população com água tratada avançou menos de 1%, já na coleta de esgoto um pouco mais de 2%. E para cada 100 litros de agua tratada, 36,5 se perde na rede. O Banco Mundial coloca o Brasil no 102 lugar no ranking do saneamento. Se esta politica não mudar muitas vidas ainda serão levadas apenas pela falta de água limpa.  


Artigos . Cardiômetro

27/03/2017

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) apresentou esta semana um dado alarmante. Estamos no terceiro mês do ano e mais de 70 mil brasileiros já morreram de doenças cardiovasculares. E grande parte destas mortes se dá segundo a revista da Academia Americana de Medicina devido a má alimentação, a deficiência ou ingestão exagerada de alguns grupos nutritivos, como: carne vermelha e sódio, podendo eles  serem responsáveis por quase 50% dos mais de 700 mil óbitos por infarto, derrame e diabetes registrados nos Estados Unidos no último ano.

No caso dos brasileiros, os hábitos alimentares têm como forte característica o consumo de quantidades desnecessariamente grandes de sal, carboidratos e gorduras, conforme a Organização Mundial da Saúde. Como e de conhecimento da maioria o consumo de sal tem forte correlação com os níveis de pressão arterial. No indivíduo hipertenso, em alguns casos basta a diminuição da ingestão desta substância  para que a pressão arterial volte a níveis adequados. Como a hipertensão arterial é, via de regra, assintomática, seus efeitos prejudiciais à saúde vão se instalando de forma lenta e progressiva, sem que haja em muitos casos o conhecimento pelo portador desta patologia e assim os vasos vão sofrendo alterações degenerativas, até que a doença se manifeste por meio de suas mais temidas consequências, como o acidente vascular, derrame e o infarto do miocárdio. Devido à ausência de sintomas, a hipertensão deve ser sempre pesquisada em toda a população, seja por meio de medições periódicas da pressão arterial, como nos exames admissionais e de rotina trabalhista ou checkups periódicos. E o fato ilusório de não provocar sintomas durante muitos anos não quer dizer que não deva ser tratada tão logo seja diagnosticada. E para diagnostica-la o estudo hemodinâmico, realizado através do cateterismo cardíaco, é uma das formas de detectar os problemas relacionados à saúde do coração, tais como obstruções das artérias coronárias, doenças do músculo cardíaco, da aorta, dos vasos pulmonares, lesões das valvas cardíacas e também cardiopatias congênitas. Além de fornecer diagnósticos específicos e precisos, a Hemodinâmica permite numerosas intervenções terapêuticas que são fundamentais para os tratamentos destas patologias. Então previna-se, para que o Cardiômetro da SBC não continue a registrar tantas perdas humanas.


Artigos . Variação perigosa

03/04/2017

Os idosos normalmente não são compreendidos pelos mais jovens. Motivo que acaba afastando estes dois grupos. Um deles é fisiológico. E uma recente pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo nos mostra agora por que os mais velhos não gostam de ar condicionado enquanto os mais novos, não vivem sem ele.

Este estudo pode ajudar a proteger a saúde dos brasileiros de mais idade. E ele tem a ver com o sobe e desce dos termômetros no outono. Quando se fala em temperatura, a maioria das pessoas tem a resposta na ponta da língua. A preferência não é só questão de gosto. Pode ter relação com o local de origem, a rotina, os hábitos de cada um e principalmente com a fase da vida em que ela se encontra. Os pesquisadores da USP testaram, entre outras coisas, a sensibilidade de idosos a variações de temperatura. Eles foram submetidos, de maneira controlada em laboratório, a mudanças climáticas. Numa sala fechada, a temperatura era alterada gradativamente de 16° para 24° e depois 32° graus. E o mesmo se fez em sentido contrário. Neste estudo foram analisados 88 idosos, um a um, e para a maioria deles o frio é o que provocou as maiores reclamações. Já do calor, apenas uma minoria referiu desconforto.

Segundo os pesquisadores, o frio incomoda mais os idosos devido estar associado a doenças respiratórias e a trazer desconfortos como dores musculares e articulares. O idoso se importa menos com o calor, pois tais desconfortos não aparecem. Mas o mais preocupante é que o cérebro dele responde mais lentamente as mudanças de temperatura o que é um grande perigo. Colocando-os em risco, até de vida. Outra característica dos idosos é não sentir muita sede o que poderia faze-los desidratar-se, deixando assim o sangue mais espesso e em consequência um aumento da pressão arterial, sobrecarregando assim o coração. É muito importante propiciar a eles condições as quais sejam lembrados, tanto de beber água, quanto da temperatura e do clima, para com isso diminuir as possibilidades de doenças cardiovasculares e respiratórias.

Artigos . Hipogonadismo

26/06/2017

Com a necessidade cada vez maior de se alcançar o “corpo perfeito”, muitas pessoas na sua maioria homens buscam substancias que não necessariamente lhes trazem somente benefícios. Dentre elas estão os esteroides anabolizantes que foram desenvolvidos para pessoas com perdas musculares grandes e que precisam recuperar o tecido muscular perdido rapidamente para sobreviver. São os casos de pacientes com AIDS, câncer etc., mas que fazem um uso controlado e não acima do normal como acontece no esporte. E é justamente ai que está o problema.

Mas o que é hipogonadismo? É a redução da atividade dos testículos, órgão que secreta a testosterona.  Podendo ter causas genéticas ou adquiridas. A primeira é quando a pessoa nasce com um cromossomo a mais e os testículos trabalham menos e cujo diagnóstico acontece durante a fase da puberdade. Já a segunda causa pode ser por doenças que atacam os testículos, como infecções, torções e traumas repetidos ou doenças que afetam a hipófise, como tumores, infecções e traumas crânio-encefálico tendo como sintomas; fraqueza, desânimo, ganho de peso e alterações na libido e piora na desempenho sexual. Mas também há o causado pela ingestão de esteroides. O corpo é sábio, nele existe um mecanismo de feed back. Como o indivíduo está tomando o esteroide, a glândula entende que não há necessidade de produzi-lo, vindo a perder sua função. O importante é um diagnostico pontual, por que dependendo da causa, a doença pode ser ou não reversível. No caso genético, não há. Já nas adquiridas, ela pode ser parcial ou total. Com estimulo a hipófise ou aos testículos a voltar a trabalhar melhor ou com reposição de testosterona que em alguns casos é para resto da vida.

      Vários hormônios são considerados substâncias anabolizantes, como insulina, hormônio de crescimento etc., mas apenas a testosterona e seus derivados são considerados esteroides anabolizantes que são clinicamente modificados para ajudar no crescimento muscular. E ai entra as informações leigas pela internet, com fórmulas milagrosas e problemas minimizados, com isso, o interesse aos medicamentos aumentou, levando à descoberta de mais casos entre atletas e praticantes. O prolongado uso de substâncias esteroides pode levar a atrofia testicular, o que acarreta um quadro irreversível da doença.

Artigos . Natação e alergias

03/07/2017

O portador de asma tem na natação uma grande aliada contra as crises e também há possibilidade de melhoras consideráveis com o tempo. E melhor ainda quando praticada em ambiente quente e úmido e em piscinas que utilizam métodos como a ozonização ou a radiação ultravioleta para a desinfecção da água.

Já em piscinas tratadas com cloro, os gases cloraminas (substâncias tóxicas resultantes da reação do cloro com impurezas da água) irritam a mucosa das vias aéreas, causando crises de tosse e chiado, principalmente nas crianças mais sensíveis e nos lactentes. O cloro atua irritando as mucosas, respiratória, ocular ou da pele e pode desencadear crises de asma, rinite alérgica e dermatite. Nas investigações realizadas com nadadores que frequentavam piscinas cloradas, constatou-se que o risco de desenvolver asma e rinite foi maior naqueles que apresentavam sensibilização alérgica, aumentando a probabilidade dessas doenças respiratórias em até três vezes quando eles nadavam por períodos prolongados. A natação pode também ser um problema quando a atividade física intensa da criança promove uma respiração mais rápida, não permitindo que o ar seja aquecido e filtrado pelo nariz. Este ar frio e seco pode desencadear a contração dos brônquios e levar ao chiado. Para crianças com alergia respiratória, o exercício aquático desenvolve a coordenação motora e o controle respiratório, podendo atuar como atividade fisioterápica. Porém, é essencial que seja em piscina com boa ventilação, com normas de higiene que sigam protocolos e métodos de desinfecção menos irritantes. Pessoas com alergia na pele apresentam disfunção cutânea, com diminuição de gorduras estruturais que são como filtros dela. O cloro pode diminuir ainda mais esta gordura natural da pele, assim como os xampus que retiram esta parte natural que se formam pelas glândulas sebáceas.

A utilização de cremes que contenham ceramidas e gorduras estruturais, e a diminuição na quantidade e periodicidade do uso de xampus minimizam estes efeitos. Mas é muito importante ter conhecimento de quais métodos são utilizados pelo estabelecimento para tratamento da água e verificar se eles estão dentro das normas preconizadas pela vigilância sanitária.

Artigos . Contra o Alzheimer

10/07/2017

No Brasil, mais de 1 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência. Em todo o mundo, ao menos 44 milhões de pessoas vivem assim, tornando a doença uma crise global de saúde. O Alzheimer é degenerativo e não tem cura. Provoca a morte das células do sistema nervoso, os neurônios. Um dos sintomas é a perda progressiva da memória. Mas o que aconteceu agora é que cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro conseguiram interromper o avanço do Alzheimer em animais. Eles desenvolveram um caminho novo pra atacar a doença.

A pesquisa dos cientistas brasileiros foi destaque em uma das principais publicações científicas, o Jornal Americano de Neurociência. Os pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ focaram o estudo em uma substância produzida naturalmente pelo cérebro chamada de TGF beta 1. Eles descobriram a importância dessa proteína para proteção dos circuitos elétricos do cérebro. Nas pessoas mais velhas, a produção do TGF beta 1 é reduzida e com isso há inflamações que interrompem a ligação entre os neurônios. Na experiência, ela se recupera parcialmente com o uso da substância TGF beta 1 sintética. Nos ratinhos de laboratório, os pesquisadores brasileiros já conseguiram reduzir alguns sintomas do Alzheimer. Os animais recuperaram a memória mais recente e sabe-se que uma das principais consequências da doença é justamente esquecer aquilo que aconteceu há tão pouco tempo.

A experiência foi realizada com um ratinho com Alzheimer, ele colocado diante de dois objetos iguais. Um deles foi substituído. Segundo os pesquisadores, o animal reagiu da mesma forma, ou seja, não se lembrava do objeto que já tinha visto. Depois de injetada a molécula TGF beta 1, o ratinho lembrou do primeiro objeto e só reagiu diante do novo, aquele que ele não conhecia mesmo.

                  Outra ótima noticia foi que pesquisadores também do Brasil criaram um teste capaz de diagnosticar Alzheimer em meia hora. Parecido com um hemograma, mas a diferença está no tipo de teste. No laboratório é isolada uma proteína chamada Adam-10, que todos temos no sangue. Alterações nela podem indicar a presença do Alzheimer. Para isso, o grupo criou um sensor eletroquímico. Ele identifica a quantidade das proteínas na corrente sanguínea. Um computador lê os dados e em 30 minutos mostra se o paciente tem a doença. Quanto mais alteração na proteína, maior o avanço da doença. É sabido que é uma longa caminhada  e que tem seu começo em solo brasileiro e com cientistas daqui. 

Contra o Alzheimer.docx

Artigos . De pele à neurônio

28/08/2017

Um grupo de pesquisadores americanos conseguiu alterar as células de uma mulher de 82 sofrendo de uma doença nervosa degenerativa. O método foi descrito na revista Science. Com ele os pesquisadores afirmam ter desenvolvido um modo de produzir neurônios diretamente de células da pele humana, inclusive as de pacientes com Alzheimer.

Os neurônios produzidos já estão começando a render teorias sobre o que há de errado no cérebro com Alzheimer e como os neurônios doentes podem responder a um tratamento. Em outras pesquisas para gerar neurônios a partir de células da pele, as células adultas precisaram antes retornar ao estado embrionário. Essas células, chamadas de células-tronco pluripotentes induzidas (iPS), são difíceis de se produzir. Menos de 1% são feitas com sucesso. Além disso, são necessários meses de espera.

Tais células são estimulantes se pensarmos nos limites da clonagem e no uso de células-tronco, mas ainda há um longo processo até podermos usa-las em pacientes ou células normais como células de reposição, segundo Asa Abeliovich, da Universidade de Columbia. A equipe de Abeliovich, conseguiu identificar fatores de converter 50% das células em neurônios e se produzidos in vitro são capazes de transmitir e receber sinais e, quando transplantados em cérebros de ratos em desenvolvimento, as células convertidas foram capazes de se conectar ao circuito existente. Já nos neurônios produzidos a partir de células com Alzheimer, apresentam anormalidades características da doença. Assim, acreditam que a análise pode trazer conclusões significativas que não puderam ser obtidas por meio de pesquisas anteriores.

Segundo o pesquisador, no entanto, há uma preocupação crescente sobre a estabilidade dessas células, já que a habilidade delas de se reproduzirem e crescerem também torna maior o risco de câncer. Mas é sabido que este estudo tem um potencial incomensurável de crescimento no que tange o maior conhecimento sobre doenças neurológicas.

Artigos . O mundo pode parar

25/09/2017

Esta semana em treinamento com um dos meus alunos, o qual sofria com dores nas costas e que alguns meses já não convalescia dela, sem nenhum sintoma, eis que algo durante o aquecimento lhe provoca um grande desconforto nesta região. Mesmo controlado era sabido que um pequena hérnia de disco ali se localizava. Então ela se manifestou. Dor aguda e intensa. Assim como ele muitos outros casos no mundo podem levar até a invalidez se não tratado e conduzido por especialistas. E isto pode incapacitar uma grande parte da população economicamente ativa.

As lombalgias afetam 9,4% da população, segundo dados de 187 países. O problema responde por um terço dos casos de invalidez no trabalho e são a principal causa de incapacidade no mundo, incluindo também crianças, revelam estudos. Esta mesma pesquisa coloca os problemas lombares na primeira posição das patologias em relação aos anos de vida. As razões para os problemas na região lombar podem estar ligadas a dor do disco intervertebral, hérnia de disco, dor das articulações entre as vértebras, dor da articulação sacroilíaca, cólica renal, infecção renal, fratura de coluna, tumores, infecção na coluna, sendo os três últimos casos mais raros.

Como o problema aumenta com a idade, este fenômeno seguramente provocará um forte incremento de pessoas com dores lombares em países menos desenvolvidos nas próximas décadas, pois as regiões mais afetadas hoje são Europa ocidental, norte da África e Oriente Médio, contra uma menor incidência na América Latina e no Caribe, e como comprova o estudo, logo serão acometidos em um futuro próximo.  O que adverte uma publicação do British Medical Journal.

Os agricultores e as pessoas com idades entre 35 e 65 anos formam o maior grupo de risco, na medida que transportam cargas mais pesadas e trabalham em posições desconfortáveis e ainda estão expostos a estímulos contínuos sem restrição de tempo. Tendo eles quatro vezes mais risco de sofrer problemas lombares que as pessoas que trabalham em outros setores. No Brasil segundo dados governamentais no ano 2012, mais de 116 mil pessoas receberam auxílio-doença por esse motivo. E para os que sofrem com o problema o cansaço, desânimo e até mesmo estágio depressivo são frequentes no quadro desta patologia. Portanto ao menor sintoma destes, procure um especialista, não deixe o caso se agravar. 

Artigos . Osteopatia e dor

02/10/2017

O drama de uma pessoa conhecida mundialmente trouxe novamente à luz uma das síndromes mais dolorosas do nosso corpo, a fibromialgia. A cantora lady Gaga  cancelou sua participação no Rock in Rio um dia após anunciar que sofre desta patologia. A Síndrome da Fibromialgia ou SFM como é conhecido este tipo de reumatismo crônico e complexo, que não conta ainda com um exame que o detecte, afeta de 6% a 20% dos pacientes de clínicas de reumatologia e representa quase 10% das consultas de dor crônica no Brasil atingindo de 0,5% a 5% da população geral do país segundo dados do Consenso Brasileiro de fibromialgia. O diagnostico clinico consiste em palpar alguns pontos do corpo que são dolorosos, e estes são chamados de pontos gatilho, tendo como positivo por um profissional de saúde quando o paciente sentir dor em pelo menos 50% dos dezoito pontos de referência no corpo.

Um trauma da coluna vertebral, chamado de chicote cervical, provoca uma série de disfunções na base do crânio, e é conhecido como Disautonomia, o que afeta o bom funcionamento do Sistema Nervoso Central (SNA) e leva o paciente a ficar num estado de alerta o tempo todo, podendo ser um dos fatores desequilíbrio do SNA e essa condição pode deixar os músculos mais tensionados que o normal, provocando tais dores no corpo. Como o SNA é complexo e presente no corpo todo, a Disautonomia pode afeta-lo por completo. Podendo comprometer o funcionamento de alguns órgãos corporais. Assim, é comum que junto com o diagnóstico da fibromialgia exista algum mal funcionamento visceral, como: intestino preso ou gastrite. Outro sintoma comum é a sensação de muita fadiga e cansaço pelo corpo, falta de ânimo, que pode estar associado com sintomas de depressão.

       Para buscar uma boa regulação do SNA está sendo aplicado o tratamento Osteopático, assim há uma correção destas disfunções com esta técnica manual e suave que se emprega no corpo, levando a melhora dos sintomas e da saúde. Ele inclui desde manipulações na coluna, nos braços e pernas, diminuição das tensões dos músculos do pescoço, tratamento dos órgãos e do crânio e regula o sistema nervoso. Aliada a prática de Exercícios físicos, boa alimentação e métodos de alívio do estresse, o tratamento osteopático, faz como que o corpo responda mais rápido, contribuindo para uma melhora efetiva e contínua.

© FITNESS CLUB
Login
Horário de Atendimento Segunda à Quinta Das 7hs às 21:30hs Sexta Das 7hs às 21:00hs Sabado Das 9hs às 12:00hs
Onde estamos
Av. Independência, 700 sala 108, Campo Bom/RS

(51) 3597-4510